Museu tem R$ 1,5 milhão para nova etapa das obras

65

Divulgação

O prefeito Du Altimari assinou na quinta-feira, 24, com a Caixa Econômica Federal convênio de R$ 1.500.000,00 para execução da segunda etapa de obras do Museu Histórico e Pedagógico Amador Bueno da Veiga, no Centro.

O convênio aporta no município recursos no montante de R$ 1.469.500,00 que serão repassados pelo Ministério do Turismo, prevendo contrapartida de R$ 30.500,00 por parte da prefeitura. Os recursos para o museu foram solicitados ao ministro do Turismo, Henrique Alves (PMDB), em recente compromisso do prefeito em Brasília, e sua liberação teve o apoio fundamental do vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB).

A assinatura do convênio teve a presença do gerente-geral da Caixa em Rio Claro, Sedeval Sebastião Rodolffi; do coordenador de filial da instituição em Piracicaba, Juan Penna Chacon Borges de Paula; e do também representante da Caixa em Rio Claro, Mário Lapa.

Altimari saudou as parcerias que a administração municipal tem celebrado nos últimos anos com o governo federal e a Caixa, que permitiram ao município realizar obras importantes para a população. Ele destacou algumas dessas iniciativas, citando a construção de 4.000 moradias para famílias de baixa renda, obras viárias e de mobilidade urbana, a implantação da UPA e do Samu, investimentos em saneamento básico, a atenção à arte e cultura, como é o caso do Centro de Artes e Esportes Unificado (CEU) do bairro Mãe Preta.

A empresa Estúdio Sarasá, responsável pelas obras referentes à primeira etapa de restauração do prédio, está concluindo atualmente a instalação do elevador que transportará os visitantes ao segundo pavimento do prédio, contemplando as diretrizes de acessibilidade adotadas pela prefeitura.

Incêndio

Na madrugada de 21 de junho de 2010, um incêndio, com labaredas de 15 metros de altura, atingiu o Museu Histórico e Pedagógico ‘Amador Bueno da Veiga’, um dos cartões-postais de Rio Claro. Foram necessários 100 mil litros de água para controlar as chamas, que destruíram parte da estrutura. O acervo não foi afetado, porque já estava em outro imóvel para que o museu passasse por reforma.

Em julho daquele ano, a administração municipal anunciou o empréstimo de R$ 3,9 milhões, concedido pelo Ministério do Turismo, para a recuperação do patrimônio. Em 2011, o conservador e restaurador Antônio Luís Ramos Sarasá Martin, responsável pelos trabalhos, havia estimado que os serviços de recuperação teriam início em janeiro de 2012 com término previsto para dezembro do mesmo ano. Desde então, o prédio permanece em obras.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: