Juninho lidera rejeição, mas maioria ainda é indecisa

570

A nova pesquisa Interativa/JC que analisa os nomes dos pré-candidatos a prefeito(a) de Rio Claro em 2020 aponta que a maioria dos eleitores entrevistados ainda tem dúvidas sobre em quem poderá votar na próxima eleição. O índice de “não sabe” lidera a pesquisa total com 44,50% das respostas, índice que caiu em relação à pesquisa anterior, do mês de julho, quando 52,75% dos eleitores estavam indecisos sobre em quem não votaria. Já 13,50% da população apontou que não tem rejeição quanto aos nomes apresentados. No levantamento anterior, esse índice chegava a 22%.

Apesar desses números, entre os nomes apontados quem lidera na rejeição continua sendo o prefeito João Teixeira Junior (DEM), o Juninho da Padaria. Enquanto na pesquisa anterior ele pontuou entre 11,25% dos entrevistados, na nova, realizada em outubro, o percentual chega a 17,25%. Em seguida também aparece novamente o ex-prefeito Du Altimari (MDB), com 6,75% de rejeição – um pouco maior que os 6,50% registrados anteriormente. Na terceira colocação dos nomes dos pré-candidatos aparece a vereadora Carol Gomes (PSDB), que saltou de 0% de rejeição da pesquisa de julho para 3,50% no atual levantamento.

O ex-deputado estadual Aldo Demarchi (DEM), que aparece em boa posição na pesquisa de intenções de voto estimulada, onde pontuou 11%, apresenta 3,25% de rejeição, segundo a Interativa/JC. Valdir Andreeta (PTB), ex-presidente da Câmara Municipal, também cresceu no índice de rejeição, saltando de 0,75% para 2,75%. A ex-vice-prefeita Olga Salomão (PT) segue a lista com 2,25% de rejeição, enquanto Edson Ketal (PDT) aparece com 1,75%, Rogério Guedes (PSB) com 1,50%, Gustavo Perissinotto (PSD) com 1%, Affonso Salati (Republicanos) com 0,50% e Thiago Yamamoto (PSL) com 0,50%.

A metodologia utilizada pela empresa dispõe de 400 entrevistas presenciais e domiciliares distribuídas por toda a cidade, em diferentes regiões e bairros. A margem de erro é de 5% para mais ou para menos, com intervalo de confiança de 95%. São levados em consideração também os diferenciais de gênero, idade, estudo. A pesquisa foi realizada em outubro.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: