Ciclistas se arriscam na contramão

68

Sidney Navas

ATENÇÃO: alguns ciclistas não veem problema em andar na ciclovia pela contramão
ATENÇÃO: alguns ciclistas não veem problema em andar na ciclovia pela contramão

Muitos ciclistas reclamam da conduta de alguns motoristas e motociclistas que invadem as ciclofaixas e ciclovias do município, mas é bom lembrar que essa falta de respeito também vem de todos os lados. Parte dos ciclistas não age de acordo com a legislação vigente e anda pela contramão, isso quando não desafiam o perigo, circulando entre os carros, motos, caminhões e ônibus no meio da rua.

Na tarde de quarta-feira (12), a reportagem do JC saiu às ruas mais uma vez e foi até a ciclovia localizada às margens da SP-127, que dá acesso ao bairro Jardim Novo e imediações. Em menos de quinze minutos mais de cinco ciclistas foram flagrados circulando no sentido oposto. Dois amigos, que preferiram não se identificar, sempre usam aquele dispositivo de segurança quando precisam ir até o Centro.

Eles se justificam, afirmando que do outro lado da pista não existe ciclovia e, portanto, não teriam outra alternativa mais prática, já que fazer o mesmo percurso por dentro do bairro aumentaria o trajeto em muitos quilômetros. Eles podem até ter argumentos sólidos, já que um corredor para ciclistas do outro lado da rodovia cairia bem, entretanto um erro não justifica o outro.

O jardineiro José Beia afirma que só circula pelo sentido permitido e sempre presta atenção à sua volta. “Aos poucos a mentalidade vai mudando e os condutores, pelo menos aqui, respeitam o nosso espaço. O problema são os outros ciclistas, principalmente os mais jovens, que andam pela contramão”, lembra o homem. Rio Claro, por conta de sua geografia plana e privilegiada, disponibiliza hoje mais de 28 quilômetros de ciclofaixas e cinco quilômetros de ciclovias. A prefeitura municipal tem ainda um projeto para expansão desse sistema de locomoção, interligando mais áreas da cidade.

A Secretaria de Mobilidade Urbana reforça que desrespeitar qualquer regra de trânsito é prejudicial e perigoso para quem dirige e para os pedestres. No caso específico das ciclofaixas e ciclovias, a pasta avalia que o desrespeito leva a infrações gravíssimas de trânsito e prejuízo às regras da mobilidade urbana, que prioriza em primeiro lugar o pedestre, em seguida os ciclistas e depois os veículos motorizados. Mas a lei deve ser observada por todos, dizem as autoridades.

O comandante da Guarda Civil Municipal, Wlademir Walter, destaca que com o passar do tempo a tendência é que aumente o respeito de ambos os lados. “Não adianta para quem circula de bicicleta criticar os motoristas. É necessário que todos se conscientizem. Dessa forma faremos um trânsito melhor para todos nós”, pontua o comandante. Como não é novidade para ninguém, em caso de acidentes, os ciclistas são os mais vulneráveis. “Quando acontece alguma batida envolvendo veículos e bicicletas, os ciclistas sempre levam a pior. Por isso é preciso sempre atenção redobrada”, finaliza.

1 COMENTÁRIO

  1. O USO DE BICICLETA NA CIDADE, DEVERIA TER UMA LEI ESPECIFICA, COM APREENSÃO DA BICICLETA , PARA OS INFRATORES. POIS É NORMAL ELES ANDAR: CONTRA MÃO , NÃO RESPEITAR OS FARÓIS, ANDAR FORA DA FAIXA, EM FILA DE 3 OU MAIS, USAR APARELHO SONORO NO OUVIDO. PARA SUA SEGURANÇA DEVERIA SER OBRIGATÓRIO O USO DE DOIS RETROVISORES NAS LATERAIS DAS BICICLETAS, CAPACETE, PROIBIDO O USO APARELHO SONORO, NO OUVIDO.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: