SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) –

O Instituto Butantan está com o envase da Coronavac paralisado enquanto espera por mais IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo), a matéria-prima da vacina contra a Covid. O envase já havia sido paralisado em outros momentos à espera do IFA.
A entrega da matéria-prima era esperada para a semana atual, mas houve um atraso e o Butantan conta com a chegada para a próxima semana.
O tema foi citado por Dimas Covas, presidente do Butantan, e por João Doria (PSDB), governador de São Paulo, na coletiva de imprensa desta quarta-feira (7).
São aguardados 6.000 litros de IFA que darão origem a 10 milhões de vacinas. Apesar do adiamento no recebimento da matéria-prima, o instituto afirma que o cronograma de entrega de doses não será afetado.
Em nota, o Butantan afirma que todas as doses de vacina feitas com o IFA recebido já foram envasados e que 2,5 milhões de vacinas ainda estão “em processo de inspeção de controle de qualidade –parte integrante do processo produtivo– para serem entregues na semana que vem ao Programa Nacional de Imunizações”.
Levando isso em conta, o instituto afirma que “não interrompeu a produção da vacina contra o novo coronavírus”.
Com a nova remessa de IFA, o Butantan afirma que concluirá a entrega, até 30 de abril, das 46 milhões de doses contempladas pelo primeiro contrato assinado com o Ministério da Saúde.
Covas, em coletiva de imprensa, afirmou que o instituto tem intenção de adiantar o cronograma de entregas e para isso conta com remessas maiores de IFA vindas da China. “E aí, quem sabe, adiantar a entrega dos 100 milhões [de vacinas], que estava previsto para setembro, adiantamos para agosto e, se ocorrer a chegada de maior volume de matéria-prima, adiantar para o final de julho”, disse. “Esperamos que isso possa acontecer”.