Antonio Archangelo/Coluna PolítiKa

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Municipal de Rio Claro, Tu Reginato (PTB), afirmou nessa terça-feira (29) que, se a prefeitura não quitar dívidas com servidores da Fundação Municipal de Saúde, relacionadas a horas extras, uma nova greve setorial poderá ser deflagrada.

De acordo com Tu, “uma assembleia será convocada para a próxima semana e, se os trabalhares decidirem… Uma greve setorial não está descartada”, disse à Coluna.

Presidente da Fundação de Saúde, Geraldo Barbosa esteve na Câmara Municipal nessa terça-feira, 29 de setembro
Presidente da Fundação de Saúde, Geraldo Barbosa esteve na Câmara Municipal nessa terça-feira, 29 de setembro

A prefeitura, por sua vez, disse por meio de nota que “a única pendência de horas extras é referente à folha de pagamento de agosto, que é paga em setembro. Os valores totalizam R$ 700 mil”.

“De acordo com levantamento apresentado pela Secretaria Municipal de Economia e Finanças, a administração municipal tem um gasto anual de R$ 312 milhões com folha de pagamento, o que equivale à média mensal de R$ 24 milhões, considerando-se também o 13º salário. Os números oficiais mostram que a prefeitura, maior empregadora do município, tem também a maior folha de pagamento da cidade, comprometendo 52,77% de sua receita corrente líquida”, revelou.

GREVE SETORIAL DE 2014

No último dia 22, a administração municipal divulgou que “o Tribunal de Justiça de São Paulo, por decisão unânime, julgou improcedente o dissídio coletivo impetrado pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Rio Claro, no final de abril.

A decisão foi publicada na sexta-feira (18) e ratifica as medidas tomadas pela administração municipal ao conceder o reajuste dos servidores em 2015. O sindicato não concordava com índice oferecido pela prefeitura, que posteriormente estabeleceu percentual de reajuste de 6,41%. Em sua defesa, o município argumentou que o índice já havia sido fixado por lei e que era o máximo que poderia conceder naquele momento”, citou a nota enviada a toda imprensa.