O Hospital de Campanha de Araraquara possibilitou que a cidade adotasse protocolo da internação preventiva para pacientes positivados com mais de 45 anos ou com qualquer idade, porém com comorbidades.

Rio Claro, inserida na Diretoria Regional de Saúde de Piracicaba (DRS X), permanecerá na fase 1 (vermelha) do Plano SP de flexibilização da economia até o dia 10 de agosto. Desta forma, continua a restrição total ao atendimento presencial de comércios e serviços não essenciais.

A ocupação de leitos de terapia intensiva para pacientes Covid-19 na região de Piracicaba é considerada preocupante e exige a continuidade das restrições, de acordo com o governo do estado.

Boletim atualizado pela Secretaria de Saúde de Rio Claro confirma 2.695 casos positivos da doença no município. Já em Piracicaba são 7.520 e 191 mortes, segundo a prefeitura. Em Limeira, que também pertence à DRS X, são 5.574 casos positivos e 155 vítimas fatais.

Na contramão dessas estatísticas destaca-se a Diretoria Regional de Saúde de Araraquara (DRS III), que está na fase amarela do Plano SP. No próprio município de Araraquara, com 236.072 habitantes (IBGE 2019), são 1.831 casos confirmados e 19 óbitos. Pela proximidade regional e por ser maior que Rio Claro, os números chamam a atenção: que medidas têm sido adotadas para conter o avanço do novo coronavírus e os indicadores que favorecem a baixa letalidade?

Na última sexta-feira (24), Araraquara registrou taxa de letalidade por Covid-19 abaixo de 1%. O número reforça a posição de ser a cidade com mais 100 mil habitantes do estado com menor número de óbitos por casos confirmados pelo vírus.

“Este índice nos faz ter a certeza de que estamos no caminho certo. Desde o início da pandemia, o nosso foco foi salvar vidas. Ficamos satisfeitos em ver resultados de tanto esforço, mas nos deixa claro que não podemos nos acomodar. A cidade está organizada para o enfrentamento à Covid-19, mas ainda não vencemos a luta contra o vírus”, destaca o prefeito Edinho Silva.

Para a secretária de Saúde e coordenadora do Comitê de Contingência do Coronavírus de Araraquara, Eliana Honain, os números são resultados de uma série de ações iniciadas ainda em março. “Dentre elas, a ampla capacidade de testagem da população e para a estrutura física de leitos de enfermaria e UTI criada pela prefeitura, permitindo que a cidade faça a chamada internação preventiva, antecipando os protocolos de enfrentamento à doença”, esclarece Eliana.

Com apoio dos laboratórios da Unesp e Uniara, o município está acima da média nacional e estadual na testagem e diagnóstico. Já foram feitos mais de 14 mil testes, o que representa seis mil por 100 mil habitantes.

Também em março, antes mesmo do primeiro caso ser registrado, Araraquara já contava com equipe de bloqueio e isolamento de casos suspeitos. Atualmente, o bloqueio e o monitoramento são realizados em todos os suspeitos e positivados, bem como familiares e comunicantes.

“Todas essas iniciativas, dentre outras, dão condições para que Araraquara possa, com responsabilidade e segurança, cumprir o decreto do Governo do Estado e propiciar a flexibilização e a retomada gradual da economia. Temos estrutura e condições de cuidar da vida da nossa população porque fizemos a lição de casa”, conclui a administração.