Vacinação contra a gripe tem nova prorrogação

68

Divulgação

Vacina contra a gripe ainda pode ser tomada até o dia 10 de julho nas unidades de saúde (foto Manu Dias/AGECOM)
Vacina contra a gripe ainda pode ser tomada até o dia 10 de julho nas unidades de saúde (foto Manu Dias/AGECOM)

A campanha de vacinação contra a gripe foi prorrogada até o dia 10 de julho por determinação da Secretaria de Saúde do Estado. Segundo levantamento divulgado pela Vigilância Epidemiológica de Rio Claro, o município vacinou 67,89% dos grupos prioritários até a sexta-feira (26), totalizando 27.460 pessoas das 40.448 estimadas pelo Ministério da Saúde.

A meta da campanha é vacinar 80% da população-alvo, que inclui crianças de seis meses a menores de cinco anos, gestantes, mulheres que acabaram de ter filhos (até 45 dias após o parto), trabalhadores da saúde, idoso, portadores de doenças crônicas, professores e funcionários de escolas (incluindo creches), policiais civis e militares, funcionários dos Correios e motoristas e cobradores de ônibus.

As pessoas devem procurar a unidade de saúde mais próxima de sua casa para receber a dose vacinal. Os postos funcionam das 8 às 16 horas, de segunda a sexta-feira.

Prevenção

A transmissão dos vírus Influenza (gripe) acontece pelo contato com secreções das vias respiratórias que são eliminadas pela pessoa contaminada ao falar, tossir ou espirrar. Também ocorre por meio das mãos e objetos contaminados, quando entram em contato com mucosas (boca, olhos, nariz).

A população deve tomar cuidados simples de prevenção, tais como: lavar as mãos várias vezes ao dia; cobrir o nariz e a boca ao tossir e espirrar; evitar tocar o rosto e não compartilhar objetos de uso pessoal.

Pesquisa inédita da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo realizada em parceria com o Instituto de Infectologia Emílio Ribas aponta que as internações de idosos com 60 anos ou mais em hospitais públicos do Estado por complicações decorrentes da gripe caiu 62% depois que a vacinação contra a doença foi introduzida no calendário da rede pública de saúde.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: