Usuários reclamam da falta de remédios

119

Da Redação

Foto de um documento para controle da retirada de medicamentos, postada por um paciente na rede social Facebook
Foto de um documento para controle da retirada de medicamentos, postada por um paciente na rede social Facebook

Pacientes que utilizam a insulina Humalog reclamam da falta do medicamento na rede pública de saúde. O remédio é fornecido pela farmácia do Cead (Centro de Especialidades e Apoio Diagnóstico), que não informou a previsão de chegada do produto.

Um paciente relata que há vários dias está sem a insulina e não recebeu informação de quando o fornecimento será regularizado. Além da falta da insulina, ele reclama da necessidade de se deslocar até a farmácia para verificar se o medicamento chegou ou não, porque é praticamente impossível obter essa informação por telefone.

Segundo ele, quando a linha não dá sinal de ocupado, a ligação não é atendida. Dessa forma, o paciente tem que ir até o local regularmente, se não quiser ficar sem a medicação. De fato, a reportagem tentou falar na farmácia entre as 11 horas e meio-dia e não conseguiu. Ou dava sinal de ocupado ou a ligação não era atendida. Para o paciente, esse fato é uma “vergonha”. Se não é para utilizar o telefone em benefício da população, então a linha deveria ser cortada, gerando economia de uma conta telefônica para o município.

Outras pessoas também reclamam da falta de medicamentos de uso contínuo na farmácia da unidade de saúde da Avenida 29. Uma delas disse que “a prefeitura tem R$ 2 milhões ou mais para patrocínio de balões e deixa faltar remédio de uso contínuo na farmácia da 29”, fazendo alusão ao Campeonato Mundial de Balonismo que está sendo realizado em Rio Claro.

Questionada, a Fundação Municipal de Saúde informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que “o medicamento insulina Humalog já está disponível na rede desde o começo da semana. Sobre o telefone, seu uso é mais voltado à comunicação interna”.

A autarquia municipal explica ainda que “a farmácia do Cead prioriza o atendimento das pessoas que comparecem pessoalmente, pois a presença é previamente agendada”. De acordo com a fundação, a unidade atende uma média diária de 400 pessoas. Sobre os demais medicamentos, de uso contínuo, a Fundação Municipal de Saúde aguarda pela entrega dos pedidos.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: