Sistema de câmeras de monitoramento em questão

89

Adriel Arvolea

Comerciantes questionam o funcionamento dos equipamentos
Comerciantes questionam o funcionamento dos equipamentos

Na última segunda-feira (26), comerciantes instalados na Rua 6, altura da rotatória do Cervezão, reclamaram que os estabelecimentos estavam sem linha de telefone e internet durante todo o dia. Segundo um lojista, que prefere não se identificar por questões de segurança, teria ocorrido o furto de cabos de telefonia naquele trecho, ocorrência que não foi registrada pela Polícia Militar.

Apesar da suspeita do delito, o comerciante questiona o funcionamento da câmera de monitoramento instalada na rotatória da Rua 6 com Avenida M-21, que poderia ter registrado alguma movimentação suspeita no local. “Não sei se a câmera está funcionando. Só sei que ficamos sem telefone e havia a possibilidade de cabos terem sido furtados durante a madrugada”, comenta o reclamante.

No entanto, a hipótese dele estava certa. A câmera no trecho está passando por manutenção, segundo informa a prefeitura. “Uma empresa foi contratada pela Prefeitura de Rio Claro no início de fevereiro e iniciou remanejamento do sistema de câmeras, que inclui novos locais de instalação e colocação de novas câmeras. A empresa, também, passou a ser responsável pela manutenção permanente do sistema”, esclarece.

Mesmo com toda a tecnologia disponível, o sistema apresenta falhas e instabilidade há dois anos. No dia 19 de março de 2014, por exemplo, o equipamento instalado na Rua 1 com Avenida, Centro, não estava funcionando. Se tivessem sido captadas pela câmera, as imagens poderiam ser utilizadas para determinar se os suspeitos do assassinato do taxista Luízio Álvaro do Prado, 50 anos, pegaram o táxi no ponto em frente à Antiga Estação, onde o profissional costumava ficar.

A matéria na íntegra você confere na edição impressa do JC deste domingo, dia 1º. Se você é assinante, clique aqui e acesse a edição digital.

DEIXE UMA RESPOSTA