Seca reduz em 40% vazão do rio Corumbataí

106

Da Redação

Daae admite a queda na vazão do rio, mas descarta o racionamento de água em Rio Claro e cobra uso racional
Daae admite a queda na vazão do rio, mas descarta o racionamento de água em Rio Claro e cobra uso racional

Nunca choveu tão pouco. De janeiro a junho deste ano, o volume pluviométrico registrado no município foi de apenas 405,8 milímetros, 50% menos que no mesmo período do ano passado, quando choveu 902,4 milímetros. Foi o primeiro semestre mais seco dos últimos 20 anos. A estiagem prolongada baixou a vazão do Rio Corumbataí em 40%, trazendo risco de desabastecimento de água em Rio Claro.

A análise foi feita pelo técnico da estação meteorológica do Ceapla (Centro de Análise e Planejamento Ambiental), Carlo Burigo. Segundo ele, há mais de 40 dias não chove o suficiente em Rio Claro. Com isso, há risco de desabastecimento de água nas zonas urbana e rural, que precisam do produto para manutenção e irrigação.

E a situação é crítica, já que não há previsão de chuva para os próximos dias. Segundo Burigo, a previsão é de que o inverno seja quente e seco e as chuvas mais intensas ocorram somente a partir de outubro.

O Daae (Departamento Autônomo de Água e Esgoto) admite que a vazão do Rio Corumbataí diminuiu por causa da estiagem. De acordo com a autarquia, é feito monitoramento frequente do rio e até o momento não há previsão de racionamento ou rodízio no município. Mesmo assim, o Daae orienta a população a utilizar a água de forma racional, evitando o desperdício.

Vale lembrar que Rio Corumbataí é a principal fonte de captação de água de Rio Claro. A captação no rio é feita pela ETA 2 (Estação de Tratamento de Água), que abastece 60% da cidade. A ETA 1 capta água no rio Ribeirão Claro, que passa pela Floresta Estadual Edmundo Navarro de Andrade (Feena), responsável por 40% da água consumida no município.

Região

Enquanto que em Rio Claro o Daae descarta o racionamento de água, em Cordeirópolis o rodízio foi implantado no dia 10 de abril e continua sendo mantido. A medida foi tomada depois que o nível da bacia de Cascalho, principal represa que abastece o município, ficou abaixo da metade.

O rodízio abrange toda a cidade, que foi dividida em duas partes. O bombeamento de água é suspenso das 6 às 18 horas em partes diferentes da cidade em dias alternados. Além disso, um decreto municipal proíbe a lavagem de carros e calçadas sob risco de penalização com multa.

O Sistema Cantareira, que abastece a Grande São Paulo, também enfrenta sérios problemas com escassez de água. Tanto que a Sabesp teve que recorrer à reserva técnica e ao volume morto.

1 COMENTÁRIO

  1. Da para observar uma capivara na imagem,também da pra notar a falta de árvores ao redor de uma das margens do rio.O rio pede socorro.Senhores vereadores,senhor prefeito,tome uma atitude,recupere a mata ciliar se não…Morreremos de cede.

DEIXE UMA RESPOSTA