Estrada continua sendo alvo de críticas

391

Não é de hoje que as condições da Estrada Vicinal Nicolau Marotti é pauta no JC. A grande quantidade de buracos e até mesmo a ausência de asfalto em diversos trechos representam perigo iminente para quem trafega na via diariamente. O último grande recapeamento na região aconteceu em 2008, quando a Secretaria de Estado dos Transportes realizou recapeamento da pista e pavimentação dos acostamentos da vicinal Amim Bichara (SPA 193/310), que liga a Rodovia Washington Luís a Corumbataí-SP, e também a recuperação da Nicolau Marotti.

Dez anos depois, o asfalto na Amim Bichara continua em boas condições, assim como o trecho da Nicolau Marotti pertencente ao município de Rio Claro. Entretanto, o pedaço da vicinal que se encontra no território de Corumbataí permanece sendo um grande problema para os motoristas.

Procurado, o Departamento de Estradas de Rodagem (DER) informa que a estrada está sob administração municipal, dessa forma toda e qualquer melhoria ou ação na estrada deverá ser realizada pela prefeitura. O DER ainda informou que neste momento não há parceria prevista com a prefeitura para implementar melhorias.

Ivanir Franchin, prefeito do município à época do último recapeamento, disse que conseguia manter a via em ordem devido a uma parceria que conseguiu estabelecer com o DER, que garantia cooperação para os materiais. “É um convênio que dá para armar”, destacou o ex-prefeito. Para Carlos Jacques, ex-candidato à prefeitura no último pleito, no estado em que se encontra a vicinal atualmente seria impossível fazer qualquer manutenção: “do jeito que está ela teria que ser refeita”.

O deputado estadual Aldo Demarchi explicou que, ainda em 2008, o Estado fez as obras com a sugestão de ser colocada uma praça de pedágio entre os municípios, semelhante à existente entre Cordeirópolis e Limeira. “Não seria para cobrar dos moradores, mas para inibir a fuga de pedágio, naquela ocasião não teve conversa e os prefeitos não aceitaram, então com a fuga do pedágio com caminhões de 36 toneladas ficou como está hoje. Hoje, a concessionária até se propõe a recuperar a estrada, desde que as prefeituras se comprometam a colocar um pedágio”, esclareceu o deputado.

O atual prefeito Leandro Martinez admite que a vicinal se encontra muito perigosa, mas se justifica dizendo que a prefeitura não tem condições financeiras para realizar as melhorias que precisam ser feitas. “Periodicamente a prefeitura acerta os buracos com raspas de asfalto fornecidas pela concessionária, mas neste ano conseguimos poucas para pelo menos cobrir os buracos maiores, mas ficam pedras soltas, é perigoso”, disse, apesar de no governo anterior ter ocupado o cargo de vice-prefeito. Sobre um possível pedágio, o prefeito não quis se posicionar.

COMPARTILHAR

Deixe um comentário