Rio Claro tem saldo negativo de 68 postos de trabalho no primeiro trimestre de 2015

80

Adriel Arvolea

No acumulado deste ano, de janeiro a março, Rio Claro tem saldo negativo de 68 postos de trabalho. Ou seja, as principais atividades econômicas demitiram mais do que contrataram mão-de-obra. Os dados são do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e compreendem números de setores do comércio, serviços, administração pública, construção civil, agropecuária, indústria de transformação, serviço industrial de utilidade pública e extrativa mineral.

O resultado fica aquém do registrado em igual período do ano passado, quando contabilizado saldo positivo de 81 vagas. Comparativamente, observa-se que houve decréscimo no saldo das contratações do setor de comércio, que admitiu 1.666 e dispensou 1.850 trabalhadores. A indústria de transformação, também, desacelerou e demitiu 2.350, com variação empregatícia de -1,14 no período.

Apesar do péssimo desempenho, o mês de março salvou o trimestre, sendo o único mês do período a fechar no azul. O saldo positivo de 240 vagas foi impulsionado pelas 2.609 contratações no município. A variação empregatícia foi de 0,38%. Com relação a 2014, o resultado é, ainda, melhor, uma vez que o déficit foi de 85 vagas.

Dados do MTE demonstram que o mercado formal de trabalho no Brasil gerou em março 19.282 empregos com carteira assinada, um crescimento de 0,05% em relação ao estoque do mês anterior. O crescimento, ressalta o reaquecimento do mercado de trabalho, que voltou a gerar vagas após três meses consecutivos de queda. O resultado é superior ao registrado em março de 2014, quando foram gerados 13.117 postos de trabalho.”Tivemos um janeiro negativo, um fevereiro que estabilizou e março já geramos emprego. A expectativa é de um abril ainda melhor”, avalia o ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias.

Problema

Além da crise econômica, a não ocupação das vagas pelos candidatos, o despreparo do trabalhador na hora da entrevista de seleção é um grande desafio, também, verificado em Rio Claro. “Muitos, embora tenham qualificação profissional, mostram-se emocionalmente instáveis e não conseguem transmitir segurança ao entrevistador. A baixa assiduidade, também, é outro complicador para muitos que buscam uma colocação no mercado de trabalho”, explica a coordenação do Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT).

Neste sentido, o serviço oferece, com o Time do Emprego, um curso para os candidatos se prepararem para as entrevistas. É um programa com o objetivo de orientar e preparar o trabalhador na busca de um emprego compatível com seus interesses, habilidades e qualificação profissional. As inscrições podem ser feitas na unidade. Endereço: Avenida 3, 536, Centro. Telefone: (19) 3534-0422.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: