Resultado de pesquisa estava errado, diz Ipea

54

Da Redação

Apesar de erro, estudo ainda aponta que machismo impera em nossa sociedade
Apesar de erro, estudo ainda aponta que machismo impera em nossa sociedade

O Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea) divulgou um comunicado nessa sexta-feira (4) em que pede “desculpas” e informa que errou na divulgação de dois resultados do estudo “Tolerância social à violência contra as mulheres”. No dia 27 do mês passado, o instituto divulgou que 65% dos brasileiros apoiava ataques contra mulheres que usam roupas curtas.

O resultado da pesquisa gerou uma série de campanhas na internet e até a presidente Dilma Rousseff se posicionou sobre o assunto.

Segundo o Ipea, esse erro foi causado pela troca dos gráficos relativos aos percentuais das respostas às frases “Mulher que é agredida e continua com o parceiro gosta de apanhar” e “Mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas”.

Por isso, diferentemente do divulgado, 26% – e não 65% – dos entrevistados concordavam, totalmente ou parcialmente, com a afirmação “mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas”. A maior parte, 70%, discordou total ou parcialmente desta afirmação. 3,4% se disseram neutros.

INVERSÃO

De acordo com o instituto, o outro par de questões cujos resultados foram invertidos refere-se a frases de sentido mais próximo, com percentuais de concordância mais semelhantes e que não geraram tanta surpresa.

O estudo teve como objetivo medir a tolerância social à violência contra as mulheres, fazendo um levantamento de opiniões e percepções da sociedade brasileira sobre questões como o sexismo e a violência contra as mulheres. A pesquisa pediu opiniões sobre a pertinência ou não de intervenção estatal em brigas de marido e mulher, e sobre se comportamentos femininos supostamente influenciam casos de agressão e estupro.

Em sua nota, o Ipea informa que, apesar dos erros nas duas questões, os demais resultados se mantêm, como a concordância de 58,5% dos entrevistados com a ideia de que “se as mulheres soubessem como se comportar, haveria menos estupros”.

DEIXE UMA RESPOSTA