Câmara prevê mais 556 cargos de confiança e comissão

74

Ednéia Silva

Guardas municipais fazem treinamento para uso de novo tipo de arma. Categoria reivindica gratificação por porte de arma

Os projetos de lei que tramitam na Câmara Municipal, que dispõem sobre a reforma administrativa, estão gerando muita discussão no município. Um dos pontos de maior polêmica é a criação de novos cargos na administração pública. São 556 novos cargos em comissão e de confiança.

A informação foi divulgada pelo vereador João Teixeira Junior (DEM), o Juninho da Padaria, líder da oposição. De acordo com ele, é preciso estudar os projetos muito bem antes de votá-los, para não prejudicar o funcionalismo. Para isso, o vereador está conversando com vereadores. Segundo ele, os servidores devem ser ouvidos, pois são os maiores interessados na reforma. “A prioridade deve ser o estudo, e não a aprovação das propostas”, frisa.

Juninho afirma que muitos pontos precisam ser revistos para atender a grande maioria do funcionalismo. O parlamentar alega que, da forma que está, a reforma não atende aos interesses dos servidores, nem do município. “A reforma é mais política que administrativa”, comenta. Diante disso, ele cobra responsabilidade dos vereadores para discutir os projetos e até mesmo rejeitá-los, se for o caso.

O Sindumi (Sindicato dos Servidores Municipais) elencou uma série de itens de discórdia que foram apresentados à prefeitura em reunião realizada na semana passada. A administração municipal se comprometeu a rever os pontos levantados e discuti-los com a entidade. Tu Reginato, presidente do Sindmuni, disse que pelo menos 12 itens dos projetos foram apresentados ao governo municipal. Guarda Civil Municipal (GCM), monitoras e dirigentes de creche são os grupos mais descontentes. De acordo com Reginato, o secretário de Administração, José Renato Gonçalves, comprometeu-se a chamar esses grupos para conversar. Inclusive uma reunião já teria sido marcada com a GCM.

Outro ponto em discussão é quanto à nomeação dos 70 cargos de gerentes que serão criados com a reforma administrativa. Consultada, a prefeitura informou que “as discussões estão em andamento, inclusive com a Câmara Municipal e o sindicato da categoria”.

A matéria na íntegra está disponível na edição impressa do Jornal Cidade desta quinta-feira, dia 15.

DEIXE UMA RESPOSTA