Escuridão no Anel Viário gera queixas

92

Lucas Calore

Moradores do bairro São Miguel, na região norte da cidade, queixam-se da falta de iluminação no trecho final do Anel Viário, a cerca de três quarteirões da Avenida José Felício Castellano.

Iluminação

A senhora Aparecida Pedroso, que mora com o esposo Antonio há quase 30 anos na localidade, aprovou a obra recém-entregue pela administração municipal, porém afirma que já precisou sair com lanterna para a rua durante o período noturno. “É muito escuro aqui, está precisando de iluminação. A prefeitura prometeu e até agora nada”, relata. Dona Aparecida diz que ela e os moradores vizinhos sentem-se inseguros à noite.

A moradora Aparecida mostra o local para o qual pede a instalação de poste de iluminação, assim como ocorre a poucos metros dali
A moradora Aparecida mostra o local para o qual pede a instalação de poste de iluminação, assim como ocorre a poucos metros dali

Quando alguém utiliza o ônibus do sistema de transporte coletivo acaba parando longe, pois o ponto que existia ali foi retirado. Com isso, a população anda a pé na escuridão até chegar a suas casas. O senhor Antonio diz que esse trecho apresenta riscos no trânsito, pois os motoristas não respeitam a sinalização.  Outro ponto da nova via que também não tem luz é em frente ao prédio do Fórum, em construção naquela região.

Resoluções

A reportagem do Jornal Cidade entrou em contato com a Prefeitura de Rio Claro para questionar sobre previsões de melhorias. Em nota, a assessoria de imprensa afirmou que o projeto do Anel Viário também prevê o sistema de iluminação pública, que já foi objeto de licitação e emissão da ordem de serviço. No local serão instaladas 136 luminárias e 57 postes. A data de início das obras não foi informada.

Projeto 

A nota diz ainda que o projeto contemplou também a pavimentação asfáltica, construção de galerias pluviais, guias e sarjetas, duplicação da via, implantação de rotatória da Avenida 80-A e sinalização viária. Sobre o ponto de ônibus, afirma que as obras realizadas não interferiram no transporte coletivo.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: