Prédio da Unesp continua ocupado por estudantes

74

Antonio Archangelo

Quartos estão abrigando mais estudantes do que o ideal
Quartos estão abrigando mais estudantes do que o ideal

Na tarde de ontem, 3, cerca de 50 universitários realizaram ato na frente da Unesp, campus da Bela Vista, fortalecendo a ocupação do hall do Instituto de Biociências (IB), que está ‘tomado’ há duas semanas.

Em nota, os estudantes alegam que “querem negociar com os diretores do IB e IGCE e os seus respectivos vices” as seguintes pautas: inclusão no plano de obras do campus como prioridade, a construção de um bloco novo na Moradia Estudantil, com acessibilidade plena, e que o começo das obras seja para no máximo no início do segundo semestre deste ano (2014); revogação do processo seletivo das Bolsas de Apoio Acadêmico e de Extensão do IB e do Instituto de Geociências e Ciências Exatas (IGCE), e constituição de uma nova comissão para a elaboração de um novo processo seletivo dessas bolsas”, alegam.

“A proposta para a composição da nova comissão: dois estudantes que não concorrem às bolsas (indicados pelos estudantes da moradia estudantil); o vice-diretor e a assistente social para auxiliar nesse trabalho; instituição dessa comissão para cada instituto; efetivação das ‘Bolsas emergenciais’; que estas bolsas tenham o mesmo período das Bolsas efetivas, doze meses, assim sendo fixadas até o ano seguinte; revogação da ‘Resolução nº 21, de 27 de fevereiro de 2014’, que estabelece um processo com critérios que apelam à meritocracia para a concessão das bolsas de extensão universitária”, conclui a pauta de reivindicações.

De acordo com os estudantes, em três blocos, atualmente existem 35 alunos excedentes que estão dormindo no chão das moradias. A ocupação aconteceu após deliberação, no último dia 26 de março, em assembleia realizada na moradia estudantil. “Atualmente são 96 camas distribuídas em 12 casas, mas existem 132 alunos. Estes alunos excedentes estão dormindo no chão. Existem também vários problemas estruturais, como infiltrações, esgoto entupido, torneiras quebradas, etc”, alega a nota dos universitários.

Em nota, a assessoria da Unesp afirma que, “desde o ano passado, houve ampliação das ações da Universidade Estadual Paulista já anteriormente existentes no que diz respeito à Permanência Estudantil. A principal foi a criação de uma Comissão e de uma Coordenadoria especificamente para esse fim, envolvendo questões como moradia e bolsas e auxílios para alunos socieconomicamente carentes”, diz a nota.

“Antes da presente ação dos alunos, já estava agendada uma visita ao campus de Rio Claro, no dia 10 de abril, do presidente da Comissão de Permanência Estudantil da Unesp (vinculada à Reitoria), para dialogar com a comunidade. Não só a direção informou aos alunos da confirmação da reunião, como foi enfatizado que se trata de uma oportunidade para discutir as demandas apresentadas. Estas vêm sendo atendidas dentro do possível, obedecendo aos parâmetros estabelecidos pela universidade”, afirma o texto.

“Quanto a critérios para a concessão das bolsas (situação socioeconômica e meritocracia), o assunto já vem sendo discutido na citada Comissão de Permanência Estudantil da Unesp. No que diz respeito à meritocracia, deve-se ressaltar que, em Rio Claro, objetivando a inclusão de um maior número de alunos, a direção local trabalha com rendimento escolar mínimo de 50%, embora a legislação recomende rendimento de 70%. Em relação à queixa de superlotação das moradias, a direção do Instituto de Biociências (IB) da Unesp de Rio Claro informa que vem sendo feita, pela Comissão de Moradia de Rio Claro, uma avaliação da existência desse excesso. Será feito um levantamento atual da ocupação da moradia devido a denúncias de estadia nela de pessoas sem vínculo com a Unesp ou que já deveriam ter de lá saído por terem finalizado seu vínculo acadêmico. Outras questões, como as relacionadas à composição de comissões para processo seletivo de bolsas e plano de obras para moradia estudantil, serão discutidas também no dia 10”, conclui.

DEIXE UMA RESPOSTA