Para Altimari, construção do IML só no ano que vem

81

Antonio Archangelo

Du Altimari acredita que muitos dos projetos sociais não continuarão com um novo governo
Du Altimari acredita que muitos dos projetos sociais não continuarão com um novo governo

Em entrevista ao Jornal Cidade no início do mês, o prefeito municipal Palmínio Altimari Filho, Du Altimati, cutucou o imbróglio em torno da construção de um novo prédio para abrigar o Instituto Médico Legal (IML) em Rio Claro.

No mês passado, a falta de ato oficial para que o Estado de São Paulo pudesse utilizar o terreno da “antiga quadra do Ribeiro” foi considerada uma barreira. A administração municipal foi responsabilizada pelo entrave. O governo local, por sua vez, oficializou o Estado, mas frisou que a incumbência seria do governador em revogar a cessão do lote que estaria sendo utilizado pelo município.

Para o prefeito, o Estado terá que revogar o documento. “É o governador quem deve fazer o trâmite. Sabe aquela esquina da Escola Estadual João Batista Leme? Quem assinou para que pudéssemos ampliar a rotatória? Foi o governador” disse o prefeito.

“Este projeto do IML que está discussão, na verdade ainda não existe. Até pediram para que nosso corpo de engenharia pudesse fazer o projeto, mas não tinha como. Contratar uma empresa para fazer o projeto de uma obra do Estado, nós não podemos também. Acredito que até eles contratarem, fazerem o projeto, o IML ficará para o ano que vem” comentou.

Sobre a chegada da FATEC no município, outra promessa estatual, o prefeito se mantêm confiante. “Já o projeto da Fatec está caminhando” opinou.

ELEIÇÕES

Questionado sobre se a oposição ao governo Dilma teria um projeto de mudança para oferecer ao país, Altimari aproveitou para reiterar seu apoio a aliança PT/PMDB. “Eles podem até ter projeto, mas não é o projeto do atual governo. O projeto que defendemos. Porque? Qual é o nosso projeto? É o crescimento do Brasil diminuindo a desigualdade social. Eu tenho certeza que este projeto não é o mesmo do PSDB. Eles querem crescer. Adianta as grandes empresas crescerem e o povo não? Entende a diferença? Muito dos projetos sociais que estão em andamento hoje, não acredito que o façam. O que eles fizeram? Privatizaram tudo! Não foi a Petrobras porque o povo segurou, mas já tinham mudado de Petrobras para Petrobrax, para ficar mais fácil de vender” criticou.

“Me recordo que durante a inauguração do laboratório do Pré-sal aqui na Unesp de Rio Claro falaram do Fernando Henrique e um professor disse: pelo amor de Deus. Se tivesse essa turma, não existiria laboratório do Pré-sal, não existiria nada. Na costa brasileira onde tem petróleo? Do Espirito Santo a Santa Catarina e queriam entregar tudo isso para o capital internacional. Isso estaria sendo discutido lá na França, não no Brasil. Este projeto de crescimento contra a desigualdade social eles não possuem” concluiu.

DEIXE UMA RESPOSTA