Memória fotográfica no Centro Cultural

51

Matheus Pezzotti

 

No acervo com 700 fotos expostas, a primeira é datada de 1906, o Anhangás Football Club
No acervo com 700 fotos expostas, a primeira é datada de 1906, o Anhangás Football Club

Setecentas fotos reunindo 250 times rio-clarenses de futebol, mas poderiam ser mais. No acervo pessoal de José Roberto Sotero, 800 fotos em pouco mais de 20 anos de pesquisa e “caça aos tesouros”.

A exposição Memória Fotográfica do Futebol Rio-clarense acontece desde o último domingo (1º), no Centro Cultural “Roberto Palmari”, localizado na Rua 2, 2.880, Vila Operária, com término no dia da final da Copa do Mundo, no dia 13 de julho, aberta em horário comercial.

Além dos times da cidade, há uma galeria dos campeões Amadores, desde a primeira edição, em 1940, até 2011. A viagem no tempo começa em 1906, com uma foto do Anhangás Football Club, foto mais antiga do acervo de Sotero, que, apesar da paixão pelos registros antigos, declarou que será a última exposição que realizará.

“É sempre muito difícil fazer esse tipo de trabalho e há pouca ajuda. Então resolvi aproveitar o momento que o futebol está ainda mais em evidência com a Copa do Mundo e resolvi fazer essa exposição, que será a última”, afirma.

Em duas décadas, José Roberto Sotero conta como conseguiu reunir um acervo respeitável de quase mil fotos de dois séculos de times de futebol da cidade.

“Buscando fotos, eu pesquisava nomes de jogadores, até mesmo na lista telefônica tentando encontrar algum parente próximo para saber dos campeonatos e do time em questão. Quando conseguia as fotos, muitas vezes as pessoas simplesmente me davam ou então eu tirava uma cópia em xerox mesmo”, relembra.

Com tanta foto histórica, um problema começou a surgir, mas logo foi solucionado. “Quando mostrava as fotos originais, quase sempre, quando a pessoa tinha um parente naquele time, me pedia a foto emprestada e não devolvia. Para não perder mais as fotos, eu tirava uma cópia e entregava”, conta.

Apesar de todo o zelo, atualmente Sotero quer doar o acervo, seja para algum pesquisador ou amante da história futebolística da cidade ou algum museu, para ter certeza de que as fotos continuarão bem cuidadas.

“Aqui em Rio Claro seria possível elaborar um museu do futebol. Muitas pessoas se interessariam em ajudar. Basta querer fazer. A história do nosso esporte, não só do futebol, é muito rica e precisa ser preservada”, ressalta.

Como já dito na matéria, são 700 fotos em exposição, quantia que o ‘historiador’ quer registar no Guinness Book, o livro dos recordes, mas confidencia que precisa de apoio para fazer acontecer.

“Pesquisei e não há no mundo outra exposição igual, com tantas fotos de times de futebol da mesma cidade. A intenção é levar o nome da cidade para o Guinness Book, simplesmente porque ninguém fez isso até hoje. Mas sozinho é difícil, caso alguém queria ajudar, serei grato”, finaliza.

Interessados em ajudar José Roberto Sotero devem entrar em contato pelo telefone 99934-3828.

DEIXE UMA RESPOSTA