Maior superlua do século nesta segunda-feira (14)

95

Lucas Calore

A primeira superlua do ano de 2016 aconteceu no mês de outubro e surpreendeu os brasileiros. Na foto, registro do fenômeno em São Paulo (imagem: Paulo Pinto)
A primeira superlua do ano de 2016 aconteceu no mês de outubro e surpreendeu os brasileiros. Na foto, registro do fenômeno em São Paulo (imagem: Paulo Pinto)

Pela segunda vez neste ano de 2016, a humanidade terá a oportunidade de observar um dos fenômenos mais bonitos do sistema solar: a superlua, que acontece nesta segunda-feira, dia 14 de novembro.

Fabrizzio Montezzo, estudante de Física na Unesp de Rio Claro, explica que a superlua ocorre quando a Lua está mais próxima da Terra. “Ao se aproximar temos o perigeu, e quando a Lua está mais afastada temos o apogeu. Essas distâncias variam de 352 mil km a 406 mil km de distância do centro da Terra, ou seja, geocêntrica. No caso de uma Lua cheia que coincide com o perigeu, temos o fenômeno que foi colocado ao longo dos anos de ‘superlua’, a qual nada mais é do que uma trajetória coincidente com distância da Lua em relação à Terra em sua fase cheia”, detalha.

O fenômeno

A primeira superlua este ano aconteceu em 16 de outubro. Além do fenômeno desta segunda, também acontecerá no dia 14 de dezembro. No entanto, a expectativa é alta para a superlua de amanhã, pois será a maior registrada neste século até então.

“O nosso satélite natural estará um pouco mais próximo da Terra, atingindo cerca de 356.509 mil km de distância do centro da Terra, nos dando uma visão muito bonita ao anoitecer, a partir das 19h45, horário de Brasília e de verão aqui em nossa localização”, disse.

Onde observar

Contando com a sorte de um tempo aberto e sem chuva, o Grupo Gearc – Grupo de Estudos Astronômicos de Rio Claro organiza na Avenida Presidente Kennedy, paralelo ao Aeroclube, na zona sul da cidade, a partir das 19h desta segunda (14), um evento para observação da superlua com 10 telescópios. Toda comunidade está convidada a comparecer ao local, gratuitamente.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: