Favari Filho

Uma década de Rolling Stone

Há dez anos a Rolling Stone começou a ser publicada no Brasil. Qual não foi a minha surpresa ao constatar que já se passou uma década desde que a edição de número um chegou à Banca do Carlinhos. A capa deste mês faz lembrar que o tempo voa e que meu amigo jornaleiro [companheiro das manhãs dominicais há quase vinte anos] e eu estamos envelhecendo a nossa amizade em barril de carvalho junto das publicações. Fico feliz em saber que a minha coleção continua aumentando, pois a Rolling Stone segue firme, mesmo com todo o mercado editorial em frangalhos, aliando informação e conteúdo nestes dias maquinais. A Billboard Brasil, infelizmente, não teve a mesma sorte e encerrou a publicação impressa em julho de 2014.

Fundada em 1967, na cidade de São Francisco, na Califórnia, por Jann Wenner e Ralph J. Gleason com um capital inicial de US$ 7.500,00 emprestados dos familiares de um dos sócios, a princípio, a publicação dedicava às suas páginas apenas os acontecimentos da contracultura hippie daquela década. Contudo, aos poucos, foi distanciando as suas pautas das publicações underground e adotando padrões jornalísticos modernos, além de iniciar a expansão da marca com franquias por todo o Globo.

img-1038417-edicao-119

Nos anos 1970, a Rolling Stone contratou Hunter S. Thompson – o inventor do atualmente desprezado jornalismo gonzo – para escrever na seção de política. Logo, uma série de artigos publicados resultou no seu livro mais famoso: ‘Medo e Delírio em Las Vegas: Uma Jornada Selvagem ao Coração do Sonho Americano’, que recomendo aos amigos leitores e que, aliás, tem uma ótima versão publicada pela Coleção L&PM Pocket.

À época, a revista era tão popular nos EUA, que todos que estampassem a capa certamente sofreriam uma guinada positiva em suas carreiras [fato que continua acontecendo até os dias atuais], tanto que a canção ‘Cover of the Rolling Stone’ – composta por Shel Silverstein – fez muito sucesso com a banda de country rock Dr. Hook & the Medicine Show que, posteriormente, realizou o sonho exprimido na letra e apareceu na capa de uma edição americana da Rolling Stone.

Mas, na verdade, o que constatei ao voltar para casa depois de consultar o meu arquivo é que a Rolling Stone Brasil foi lançada no dia 20 de outubro de 2006 e que a edição de julho apenas inicia as comemorações com um propósito bacana, que é estampar em suas páginas os fatos mais importantes da música nestes dez anos como, por exemplo, o fim da MTV e a morte de astros como Michael Jackson, David Bowie, Joe Cocker, Amy Winehouse e James Brown. As próximas três edições devem continuar trazendo à tona um museu de novidades que o tempo e a pressa cotidiana insistem em apagar da memória. Uma iniciativa e tanto! Portanto, vida longa às empresas que continuam apostando na publicação impressa! Essa forma antiga de informar que continua estreitando a relação do homem com o próprio pensamento. Evoé!

Outros posts deste autor
Ainda o samba
Ulysses
Cantiga de ninar
Um só…
Palavra

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

JCblogs Produzido por Gabriel Ferrari Mariano