Gabriel Ferrari

Resolva Conflitos Como Um Mestre Zen

Você já viveu pelo menos uma situação de conflito. Alguém tem que ganhar e outro tem que perder, não é mesmo? Quem ganhar fica soberbo e arrogante. Quem perde fica magoado e resignado. Nenhuma das circunstâncias é boa. São duas formas erradas de concluir um conflito. A saída correta envolve paz e um final produtivo.

Talvez você não possa evitar “a treta”. Mas pode evitar perder o controle emocional, cutucar egos e sentimentos alheios. Isso é possível pois você deve conhecer alguém que nunca esquenta a cabeça numa discussão. Conseguem resolver as coisas com calma e e tranquilidade.“O que vem de fora não perturba”, e por isso mesmo não reagem à situações. Conseguem converter uma situação de conflito em algo produtivo. São verdadeiros Mestres Zen.

Não adianta. Você não pode tirar o Senhor Miyagi do sério...

Não adianta. Você não vai tirar o Senhor Miyagi do sério…

 

Como esses mestres Zen fazem isso?

Bom, ninguém escreveu um manual de instruções de “como não estrangular seu chefe” ou “como evitar esquartejar seu marido”, mas existem algumas características observáveis.

As pessoas não querem destruir sua vida

Se estiver em uma situação de conflito, lembre-se: As pessoas apenas estão querendo satisfazer suas necessidades. As delas.. não as suas..

Ninguém saiu de casa pensando: “Como eu vou ferrar a vida do (insira seu nome aqui)?”.

Desde os tempos das cavernas os humanos estão buscando satisfazer suas necessidades. Todas as pessoas buscam isso. Alguns mais modestos, outros como tratores violando o direito das outras pessoas de maneira egoísta. Isso não quer dizer que elas estejam certas. Mas o objetivo é a priori positivo: estão buscando satisfazer suas necessidades. O que é a mesma coisa que você está fazendo do outro lado da briga não é?

Ninguém vive pra destuir você. Só o exterminador do futuro. Ele sim quer acabar com você.

Ninguém quer acabar com você. A menos que seja o exterminador do futuro. Neste caso evite o conflito e comece a correr.

 

 

Seja rápido no Gatilho

Na maior parte do tempo de uma discussão nós tentamos provar que estamos certos e antecipar o que o outro vai dizer para refutar. Parabéns! Você acaba de colocar mais lenha na fogueira!

Aqui, ser rápido no gatilho é evitar as respostas espontâneas. Gasta-se horas alfinetando egos e sentimentos porque não se atinge o ponto certo da questão. A reação alimenta o conflito. A ação pode terminá-lo.

Gaste um tempo buscando entendimento para atingir o ponto certo. Começar a se defender ou atacar o outro não vai levar à lugar algum. Antes de falar gaste um tempo observando onde você vai chegar.

 

"Falo nada. Só observo"

“Falo nada. Só observo.”

 

 

Coloque seu chapéu de Sherlock Holmes

O que mais gosto nos detetive é a imparcialidade. Completo desprendimento com a situação. E a principal característica do trabalho é o levantamento de hipóteses. Principalmente pensar o que outro envolvido pensa ou faz em relação ao fato.

  • Como é estar nos sapatos da outra pessoa?
  • Como essa questão impacta na minha vida e na dela?
  • No meu ponto de vista, oque melhora ou piora as coisas?
  • O que pode ter começado o problema?
  • Como é o ponto de vista do outro?

Invista um tempo respondendo essas perguntas e entendendo outras perspectivas. Isso vai ajudar a chegar no resultado satisfatório, e esfriar a cabeça.

"E sabendo disso eu posso claramente concluir que não faço a menor ideia do que está acontecendo."

“E sabendo disso eu posso claramente concluir que não faço a menor ideia do que está acontecendo.”

 

 

Leve a questão ao Centro. Ao seu Centro.

Essa é a parte essencialmente Zen.

Quando ouve algo e leva para a sua mente, seu cérebro começa a analisar a informação. Começa a propor uma resposta viável baseada na razão. Mas pode ser que você só crie defesas para manter seu ego seguro e alimente o conflito de forma lógica. Se você levar ao seu coração, não há como saber qual vai ser a emoção gerada ali. Mas com certeza será uma reação rápida e forte. Isso pode fazê-lo agir sem entender ao certo a situação. É assim que as situações fogem ao controle.

 Você precisa se abster de julgamento.Precisa de silencio no coração e na mente pra poder enxergar a verdade da situação.

Leve a situação ao Centro

Dois dedos abaixo do seu umbigo. Esse é o centro de equilíbrio do seu corpo. Muitas culturas acreditam que é o santuário do espírito. Estamos conectados à  “fonte da vida” por este ponto. É a região do corpo conectada com a energia e sabedoria infinita. Não por coincidência é o local onde as mulheres geram novas vidas. Deixe que as situações sejam tratadas em você nesta zona de equilíbrio. Nela não existe julgamento ou emoções. O melhor entendimento pode vir da meditação à respeito dessa situação neste ponto. Mas caso você não esteja à vontade com esse conceito, eu sugiro que você leve as coisas para o seu estômago e faça a digestão delas!

APRENDAAMEDITAR

“As pessoas não te irritam. Você si irrita. A irritação é sua.”

 

 

O Pensamento no Centro

Alguém lhe diz algo como:

“Eu estou irritado porque você não deixou nada para eu comer! Você é uma pessoa horrível e egoísta.”

Isso te atinge em cheio. Não deixe isso atingir seu coração ou seu cérebro. As defesas serão acionadas pelas simples palavras “irritado“,”horrível” e “egoísta“.

Congele a cena. Imagine agora que está levando ao seu centro. Lá só existe o equilíbrio. Não existe julgamento. Você vai conseguir enxergar além do que foi dito.  Por exemplo:

  1. A pessoa queria comer e ficou frustrada.
  2. A pessoa está desapontada com você, pois estava esperando consideração.
  3. A pessoa te acha horrível e te odeia.

Resolvendo sem julgamento

  1. Fica claro que a pessoa está buscando resolver uma necessidade. isso não tem nada a ver com você. Não leve pessoalmente então.
  2. Expectativas. A pessoas tem expectativas. Isso é ilusão. Nenhuma razão ou emoção sua pode livrar a pessoa desse desapontamento. Somente ela.
  3. Se ela não é o exterminador do futuro e não está constantemente tentando destruir sua vida, ela não te odeia, nem te acha horrível. Dói, eu sei que dói. Mas acredite, é só um “vazamento” da própria dor da pessoa.

 

Agora você entende como a outra pessoa se sente. É difícil lutar contra emoções. Mas com esse entendimento você não precisa lutar contra nada. Sem ser abalado você pode agora conduzir para uma solução.

 

Reação. Ação

Descongele a cena. Uma possível boa resposta seria:

“Posso ver como se sente. Eu entendo seu desapontamento. Se você estiver aberto à isso eu posso explicar.”

 

Convide-os para andar em seus sapatos

Não tente se justificar. Todo mundo está certo dentro de seu ponto de vista. Tente mostrar como você está vendo as coisas. Convide as pessoas a estarem em seus sapatos.

No exemplo anterior, o melhor é explicar a sua experiência. Deixe de utilizar a palavra “você” que é agressiva, e use mais a palavra “eu”.

“Eu cheguei aqui com um buraco no estômago. Eu nem pensei se havia outra pessoa pra comer. Eu não pensei em te prejudicar. E dói em mim ouvir que sou horrível e egoísta por isso.”

O que é bem diferente de uma possível resposta rápida:

“Não tinha mais nada pra eu comer! Você é um estúpido(a) falando assim!”

Evite esse tipo de abordagem.

Evite esse tipo de abordagem

 

Fechando o ciclo

Enfim, avalie como você está inserido no contexto. Não adianta pensar muito na responsabilidade do outro. As vezes ele não quer assumí-la. Pense na sua, e no que pode ser feito.

“Você não precisa ficar sem comer. Eu posso compra algo se você quiser.”

  1. Entenda a situação.
  2. Entenda o outro.
  3. Crie empatia com a outra pessoa. Mostre sua situação.
  4. Negocie um plano pra resolver a situação que funcione para todas as partes.

 

Lembre-se: O Céu não está ruindo sobre sua cabeça

 

Eu quero a luz acesa. Você quer ela apagada. Se cada um quiser do seu jeito, uma batalha irá começar.
E isso quer dizer que odiamos a pessoa que o outro é. Que os relacionamentos estão deteriorando e que constantemente estão sabotando as coisas que quero. Que secretamente estão querendo apagar as luzes da minha vida e é por isso que os conflitos acabam ruins.”

power-rangers

Até os Power Rangers entraram em crise…

 

Não.Nada disso.

Significa que queremos coisas diferentes ao mesmo tempo. Só isso. Essa é a razão dos conflitos.

Tenha a imensa sabedoria de não ficar gerando sentimentos e pensamentos destrutivos por causa de qualquer conflito. Um dia assim será horrível. O somatório de dias assim cria uma vida horrível. Conflitos vão acontecer e vão acabar. Não fique se torturando pelo que foi, e nem criando agonia pelo que vai vir.

“Você não deve temer a tempestade. É ela que traz o arco-íris.”

Vivendo como um Mestre Zen

Pode acontecer um terremoto. Mas o mestre zen não se abala. Não importa como o lado de fora está revolto, ele busca o refúgio dentro de si próprio, onde reside a calmaria. Ele poderia se contagiar com a ira dos outros, mas contagia-os com sua calma. Entende que conflitos não são pessoais. São apenas divergências de vontades. E por vontades serem transitórias, não vale a pena abalar seu espírito ou o dos outros.

Conflitos são como tempestades. Cedo ou tarde o tempo fecha. Mas você não pode ficar parado. Também não adianta agredir a chuva. O segredo é aprender a andar na tempestade.

Andar_na_chuva

 

 

 

Outros posts deste autor
analise do cérebro
Como melhorar em 14 segundos
Pra que defender Lula?
Sérgio Moro não é o herói
O herói não é Sérgio Moro
Quem está levando o racismo adiante?
7 motivos para dormir pelado

Um comentário

  • Ruy Raposo de Medeiros Filho
    19 de dezembro de 2016 - 18:38 | Permalink

    Excelente e verdadeiro.

  • Deixe uma resposta para Ruy Raposo de Medeiros Filho Cancelar resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    JCblogs Produzido por Gabriel Ferrari Mariano