Fabíola Cunha

Quanto vale ou é por quilo?

Sergio Bianchi (Brasil, 2005)

Indo e vindo no tempo, o filme estabelece as semelhanças existentes entre o comércio de escravos e o marketing social, em que empresários da high society utilizam a miséria para autopromoção. Como diz a frase que define o filme: “mais vale pobres na mão do que pobres roubando”. Um retrato desanimador e muito verdadeiro do Brasil: um país onde desigualdades, corrupção e violência servem-se uns aos outros desde tempo remotos.

Outros posts deste autor
Coutinho, o cabra marcado para morrer
Documentários para ver ontem
Filmes que são presentes
“Você não pode se livrar de Babadook”
As mulheres badass do cinema

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

JCblogs Produzido por Gabriel Ferrari Mariano