Favari Filho

Para lembrar

Washington Luís Pereira de Sousa foi o décimo terceiro presidente do Brasil. Deposto em 24 de outubro de 1930 – três semanas antes do término de seu mandato devido à Revolução –, passou o poder à Junta Governativa Provisória formada pelo triunvirato composto por Augusto Tasso Fragoso, José Isaías de Noronha e João de Deus Mena Barreto que, em seguida, o entregou às forças político-militares comandadas por Getúlio Vargas. O carioca Washington Luís foi o último presidente efetivo da República Velha.

John Fitzgerald Kennedy foi o trigésimo quinto presidente dos Estados Unidos da América; eleito em 1960, governou até o seu assassinato em 1963. Durante a sua administração, fatos marcantes ficaram inscritos na história mundial, como a construção do Muro de Berlim e o início da corrida espacial com a União Soviética [URSS], a consolidação do Movimento dos Direitos Civis nos EUA e os primeiros eventos da Guerra do Vietnã. O estadunidense John Kennedy é considerado uma das grandes personalidades do século XX.

Tancredo de Almeida Neves foi o primeiro presidente da Nova República. Em 1984, lançou candidatura e venceu Paulo Maluf no pleito pelo voto indireto, no entanto adoeceu às vésperas da posse e, em 21 de abril de 1985, morreu de infecção generalizada. O mineiro Tancredo Neves é considerado um dos mais importantes políticos brasileiros do século XX. Humberto de Alencar Castelo Branco atuou como um dos articuladores do Regime Militar e foi o primeiro presidente do período instaurado a partir da intervenção de 1964. O principal objetivo do governo do cearense Castelo Branco, à época, era impedir que o comunismo fosse instaurado no Brasil.

Na ordem, os presidentes descritos acima nomeiam os quatro acessos à Cidade Azul sentido capital/interior. O ato de denominar ruas, avenidas e praças com nomes de pessoas que ganharam destaque em alguma atividade é comum, entretanto, a meu ver, há um déficit no que diz respeito à preservação da memória das figuras homenageadas. Salvaguardando os anteriormente citados e o rio-clarense de registro Ulysses Guimarães [que, antes de ser candidato à Presidência em 1989, teve importante papel na política nacional e que, aliás, nomeia o Anel Viário que abraça a região leste de Rio Claro], cujas histórias são bastante difundidas, as demais homenagens acabam desconhecidas frente ao caos cotidiano.

Outros nomes como Fausto Santomauro, Constantine Peruchi e Wilson Finardi – que também denominam acessos a Rio Claro – quem foram? Outra coisa: por que avenidas Brasil, dos Estudantes, Nossa Senhora da Saúde, Perimetral, Paulista e Marginal?; estradas da Bomba, dos Costas, de Jacutinga e de Brotas?; ruas Saibreiro e Samambaia?; Qual era nome de batismo do Visconde do Rio Claro e em que área atuava o doutor Elói Chaves; e Paulo Pastana Smith, Joaquim Ribeiro, Navarro de Andrade, Conde Francisco Matarazzo Júnior, Comendador Antonio Maniero, João Polastri, José Felício Castellano e Saburo Akamine? Não existe perspectiva de um futuro bom sem que haja uma ponte que o ligue diretamente ao passado, portanto não é justo que as histórias dos referidos sejam esquecidas devido à cruel velocidade do tempo ou reduzidas à sordidez desses dias maquinais. É preciso lembrar para não esquecer!

Outros posts deste autor
Ainda o samba
Ulysses
Cantiga de ninar
Um só…
Uma década de Rolling Stone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

JCblogs Produzido por Gabriel Ferrari Mariano