Fabíola Cunha

O começo/fim e o fim/começo

Ano Novo pode ser só uma forma pomposa e dramática de interpretar o simples fim do calendário e a necessidade de comprar uma agendinha nova. Ou pode ser mesmo data em que renovar, reiniciar e recarregar as energias se faz necessário. De qualquer forma, alguns filmes sobre morte e renascimento, fim e recomeço, são indicados para esta data e os dias preguiçosos que se seguem.

Magnolia

Conhecido por ser o filme da “chuva de sapos”, este longa de Paul Thomas Anderson é na verdade, muito mais que isso se você se entregar às 3h de duração com o coração aberto. Em Los Angeles, diversos personagens têm as vidas cruzadas por uma sequência de tragédias e confrontos, mas entre mortos e feridos, há a chance de salvar a todos. Tem Tom Cruise atuando de verdade pela primeira e última vez na vida, além de Phillip Seymour Hoffmann, que nos deixou em 2014, e Julianne Moore sendo espetaculares.

Os Intocáveis

Esta comédia dramática francesa se apóia numa premissa muito simples e já muito explorada pelo cinema: a amizade entre pessoas completamente diferentes, que acaba sendo o mais verdadeiro relacionamento de ambos. Fraçois Cluzet e  Omar Sy protagonizam como o tetraplégico bilionário que precisa de um acompanhante e o imigrante senegalês que consegue o emprego apesar de não ser qualificado para o trabalho. Tocante, engraçado e muito bem produzido.

Contracorrente

Em um pequeno vilarejo de pescadores, um homem sai para nadar e não volta. Seu amante, casado e a espera de um filho, busca por seu corpo no mar. Enquanto isso é visitado pelo fantasma e precisa decidir se mantém-se vivendo a mentira ao lado da esposa ou se revela a verdade não apenas para os outros, mas para si mesmo.

Outros posts deste autor
Coutinho, o cabra marcado para morrer
Documentários para ver ontem
Filmes que são presentes
“Você não pode se livrar de Babadook”
As mulheres badass do cinema

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

JCblogs Produzido por Gabriel Ferrari Mariano