João Arenna

METAS: QUEM DEVE TER?

Bom dia, leitoras e leitores!

Já escrevi sobre METAS uma outra vez nessa coluna, porém após ler um artigo escrito pelo Professor e Consultor Vicente Falconi, na Revista Exame, julguei ser oportuno voltar ao assunto, afinal, penso que esse tema nunca se esgota.

A pergunta-chamada METAS: QUEM DEVE TER? busca ampliar a discussão, pois nesse momento, o que mais se fala nas empresas é o que fazer para se conseguir atingir os objetivos propostos.

Voltemos um pouco no contexto para lembrar que uma meta só existe se for composta por 3 variáveis:

  1. UM OBJETIVO CLARO;

  2. UMA QUANTIDADE DEFINIDA e,

  3. UM TEMPO DETERMINADO.

Uma vez que esse tripé esteja alinhado, pode-se dizer que se está falando de metas, porém, faz-se necessário definir também até qual nível da empresa elas serão divulgadas e de que forma.

Assim, seja para atingir os números propostos (e necessários), ou ainda para validar as estratégias do Marketing, penso ser interessante observar que TODOS na organização (de qualquer tamanho), devem saber o que se espera de cada departamento ou setor, afinal se as metas forem entendidas pela empresa com um todo, seguramente o compromisso de realiza-las será multiplicado pelo esforço concentrado de cada um.

METAS PARA TODOS1

Outro ponto importante também observado pelo Professor Falconi é o total envolvimento daquele que determina as metas, pois de nada adianta definir e transferir, quando o que se espera é que aquele que sabe das necessidades da empresa, deve também conhecer a fundo as dificuldades impostas pelo mercado, e assim, traduzir em números o que se espera de cada um.

Atualmente não se aceita mais que o Presidente da empresa defina as metas e não as acompanhe. O ideal é que uma vez definido aonde se espera chegar, o responsável faça um acompanhamento linear dos resultados, de cima para baixo e de baixo para cima, ou seja, METAS só se transformam em resultados quando quem as definiu se dispõe a acompanhar, apoiar e porquê não dizer, cobrar os números?

Mas isso só pode ser feito por quem desce do pedestal, sai da salinha com ar condicionado e vai procurar entender a realidade de cada indivíduo e “sentir” o seu nível de envolvimento com as expectativas da empresa. E isso só se consegue quando cada colaborador deixa de ser um número e passa a ser o Seu José, a Dona Maria, ou apenas o Paulo e o João. Números se transformam em resultados positivos, quando pessoas deixam de ser registros e passam a ser colaboradores.

Finalizando, vale a pena pensar também que as metas devem ser desafiadoras, porém factíveis, mas isso não pode ser tratado apenas como retórica, além do que, os objetivos devem fazer sentido para quem está envolvido, criando assim um compromisso de realização em todos os níveis da empresa.

Ei, hoje ainda é dia 02/03 e caso as metas da sua empresa não se encaixem no contexto acima, ainda dá tempo de revê-las e, mais ainda: de conseguir que TODOS se alinhem para atingi-las.

Uma ótima semana e muito SUCESSO!

 

Outros posts deste autor
WE LOVE EBITDA: VISTA ESSA CAMISA!
QUAL O FUTURO DOS VENDEDORES?
LOJA DO FUTURO?
Auribus teneo lupum, ou ainda…
MELHORANDO A GESTÃO DE PESSOAS

Um comentário

  • 3 de novembro de 2016 - 22:10 | Permalink

    Muito boa essas dicas, eu adorei e vou tentar colocar em prática, fica com Deus.

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    JCblogs Produzido por Gabriel Ferrari Mariano