Ivo Rosalem

O futebol ficou para trás

Calma, não estou delirando. Se você refletir sobre as próximas linhas poderá discordar, mas entrará pelo menos um pouco na lógica do raciocínio.

O rio-clarense não é diferente do brasileiro. Aqui, como nas demais regiões do país, também é a terra do futebol. Em números, os apaixonados pela modalidade também são esmagadora maioria em detrimento das outras – inclusive o basquete, que é um esporte com o qual temos uma identificação muito maior que em outros locais, por razões históricas.

Mesmo assim acho que Velo Clube e Rio Claro, apesar de estarem disputando divisões importantes do futebol paulista, já ficaram para trás em relação ao basquete local, que melhorou mas ainda não alcançou nem a metade do caminho que precisa percorrer.

É fácil explicar. O povo de Rio Claro, além de gostar de basquete encara os jogos como um acontecimento social. Para alguns, ir ao ginásio em dias de jogos relaciona-se a status. Disse alguns. A outra parte, mais significativa, vai porque gosta.

Não é nem o começo. O que faz com que o basquete já supere o futebol na cidade é o próprio futebol e sua estrutura. A Federação Paulista matou os times de interior com um calendário restrito a três meses de atividade no ano todo.

A chegada de Rio Claro ao NBB (Elite do Basquetebol Nacional), proporciona um ano todo preenchido com grandes jogos, tanto do campeonato brasileiro com do estadual. Mesmo sem garantia alguma de boa performance nas competições, a tendência é que o rio-clarense se habitue muito mais a acompanhar o basquete (que tem ingressos inclusive mais baratos), do que os centenários times de futebol da cidade.

A culpa não é nem do Basquete, nem do Velo e nem do Azulão. Também não vejo prejuízo algum nesta relação. Trata-se apenas de uma observação que, a meu ver, deve motivar ainda mais aqueles que estão no comando do Rio Claro/Basquete a aprimorar cada vez mais a qualidade da equipe. Estão com a faca e o queijo na mão!

Outros posts deste autor
Rio-clarense Campeão das Américas
Bagunçou
Silêncio demais
O que manda é a qualidade
Muito longe do bom senso

Um comentário

  • Eduardo Sócrates Bergamaschi
    8 de setembro de 2014 - 19:43 | Permalink

    Caro amigo Ivo, onde é que eu assino. Como sempre em seus comentários, matou a pau. Sou seu fã.

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    JCblogs Produzido por Gabriel Ferrari Mariano