Renan Riggo

Ayrton Senna da Silva (da Fórmula 1, do Brasil, do Mundo)

Ayrton Senna da Silva

Ayrton Senna da Silva completaria hoje, dia 21/03/2018, 58 anos de vida. O maior expoente do automobilismo brasileiro correu por dez anos na principal categoria, a Fórmula 1, e consagrou-se tricampeão, tendo vencido as temporadas de 1988, 1990 e 1991. Sua carreira foi tragicamente interrompida no dia primeiro de maio de 1994, ao sofrer um acidente durante o Grande Prêmio de San Marino, em Ímola, na Itália.

A morte de Senna causou uma grande comoção nacional e internacional. O piloto era querido por brasileiros e estrangeiros, principalmente devido ao seu estilo agressivo de conduzir, à sua competitividade e à sua fome por vitórias. Mas não só por isso. Fora das pistas, Ayrton também contava com a admiração da maioria das pessoas (deixemos de lado os méritos religiosos, políticos e futebolísticos).

A magnitude de Senna no cenário desportivo nacional é tamanha que, hoje, dia 21/03/2018, estou eu, nascido em 1995, escrevendo sobre o piloto. Infelizmente, não pude ter o prazer dos domingos em família assistindo aos Grandes Prêmios, vendo Ayrton fazer mágicas dentro de seu cockpit e subindo ao primeiro lugar do pódio, muitas vezes sem pilotar o carro mais competitivo.

Entretanto, um grande ídolo nacional extrapola quaisquer imposições cronológicas, fazendo-se, deste modo, atemporal. Cresci ouvindo minha mãe e meu pai falarem sobre Senna e logo comecei a me dar conta de que se tratava de alguém diferente. Tanta paixão não podia ser por acaso.

Hoje em dia, mais velho, após ter assistido documentários e reprises de corridas de Senna por diversas vezes, após ter ouvido quase todas as pessoas com as quais converso e gostam de Fórmula 1 (e também as que não gostam tanto assim) me dizerem “o Senna? Igual a ele, nós nunca mais vamos ver”, sou capaz de me emocionar ao ver qualquer reportagem relacionada a ele.

É disso que são feitos os grandes ídolos e Ayrton Senna é, com toda certeza, um dos maiores do Brasil. Fica a minha lamentação por não ter acompanhado sua carreira do modo como gostaria, mas também fica a satisfação de entender integralmente qual é o significado de seu legado.

Ayrton Senna da Silva, 21/03/1960 – 01/05/1994.

Outros posts deste autor
[ARTIGO] Seleção Alemã de Futebol
[ARTIGO] Seleção Italiana de Futebol
[ARTIGO] Seleção Uruguaia de Futebol
Final da UEFA Champions League
Nesta semana está difícil falar sobre futebol
Nesta Semana Está Difícil Falar Sobre Futebol

Um comentário

  • André Araujo
    21 de março de 2018 - 18:57 | Permalink

    Muita saudade!

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    JCblogs Produzido por Gabriel Ferrari Mariano