Roberta Moraes

A Psicanálise dos Contos de Fadas

 

 


Em A psicanálise dos contos de fadas, Bruno Bettelheim faz uma radiografia das mais famosas histórias para crianças, apontando o seu verdadeiro significado, mostrando os processos psicológicos que ocorrem no cérebro da criança ao se deparar com os contos de fadas e o quão necessárias são essas histórias para o seu desenvolvimento psicológico e social.
Os contos de fadas, considerados por muitos pais e educadores como irreais, falsos e recheados de crueldade são, para as crianças, algo que lhes fala, em linguagem acessível, sobre um mundo que tem significado. Depois que a psicanálise desmitificou a “inocência” e a “simplicidade” do mundo da criança, os contos de fadas voltaram a ser lidos (e discutidos), justamente por descreverem um mundo pleno de experiências, de amor, mas também de destruição, de selvageria e de ambivalências.
A psicanálise dos contos de fadas é uma obra de referência para as ciências psicológicas, que estudam o desenvolvimento infantil, para a pedagogia, para as artes e para as literaturas.

Através de um conto que aparentemente está cercado de imaginação, ou uma história que não é real, onde predomina o maravilhoso, pode estar de modo disfarçados os sentimentos que cercam o interior da criança, como o sentimento de raiva ao ser abandonado pelos pais ou na possibilidade de vencê-los em esperteza, passando para a criança mensagens importantes para sua vida, como nunca desistir perante os obstáculos por mais que no início pareçam difíceis. Com relação aos personagens nos contos de fadas e também nas fábulas são perceptíveis características peculiares às crianças com imaturidade e a maturidade destes mostrando a capacidade de controle das emoções ou ser racional.

Além dos contos de fadas e as fábulas, também há os mitos, que desempenham um papel oposto aos contos de fadas que se caracterizam pelo otimismo, enquanto o mito é pessimista. Nos mitos como nos contos de fadas existe um ponto em comum que é a existência de fatores internos ao pensamento, muitas vezes ocultos, são a Id, o Ego e o Superego, que se incluem aos sonhos dos espectadores dessas histórias. O mito possui um caráter pessimista, e na maioria das vezes acaba com um final trágico, já nos contos de fadas os protagonistas sempre têm um final feliz. 

Normalmente no que diz respeito a Id, Ego e Superego, os mitos fazem demonstrações de “solicitações do superego em conflito com uma ação motivada pelo Id e com desejos de autopreservação do Ego”, com isso, diferenciam-se dos contos que são felizes. Contudo, vale ressaltar que os mitos não fazem parte de toda a formação da personalidade mas somente o que diz respeito ao Superego e os contos na satisfação e nos desejos.

 

contosdefada-rumpelstiltskin

 

Há histórias nos contos de fadas que aparentemente são bobas e sem importância como no conto dos “Os Três Porquinhos” que mostra as vantagens e a evolução da maturidade através dos três irmãos e suas construções; O caçula da prioridade a uma casa de palha dando importância principal a brincadeira, e não a estrutura e a segurança da casa, o porquinho do meio tem uma maturidade um pouco maior a do irmão menor, porém, ainda não possui um amadurecimento maior a do irmão construindo uma casa de madeira e também dando prioridade as brincadeiras, diferente dos irmãos mais novos, o mais velho tem um amadurecimento adequado, tendo uma noção maior da realidade dos perigos que podem ocorrer, e constrói uma casa de tijolos pensando na segurança e nos perigos existentes e prevendo a invasão do Lobo Mau, que se quer fora, narrado no início da história.

Algo interessante sobre o surgimento das figuras dos contos de fadas e capacidade de transformação na criança acerca do adulto, especialmente sobre a imagem da mãe. Esta ora não dá bronca e nem chama a atenção da criança, no entanto quando decidi punir uma mau criação, logo castiga e imediatamente se transforma na madrasta má e cruel ou a criança, que ao ser deixada sozinha por uns instantes, se sente maltratada pela mãe, que se torna madrasta. A mãe nos contos geralmente esta morta e seguidamente o pai se casa com outra que conseqüentemente finge-se de boa, mas é totalmente má. Essa idéia da morte da mãe nos contos tem seu lado positivo, pois, ela disfarçadamente ensina a criança a lidar com a morte da mãe.

Os contos de fadas em algumas histórias possui vários significados mostrando os conflitos internos aos protagonistas assim como aos leitores que podem se destruírem por acontecimentos que não são superados podendo como conseqüência causar danos destrutivos a essas pessoas, como no conto das Mil e uma noites, onde o rei Xazenã ao ser traído por sua esposa não mais confia em ninguém casando-se e matando suas esposas até se casar com Xerazade que estimula seus desejos internos para se salvar da morte. Estando com isso clara manifestações de Id, Ego e o Superego dos protagonistas, Ego sendo movido pelo Superego, que é representado no conto com a Xerazade, o rei com seu Id incontrolado até encontrar o seu Ego.

É interessante destacar a visão de anulação dos contos de fadas pelos pais que fecham a visão do que esta intrínseca nos contos, escondendo ou não acreditando neles, acabam tirando muitas vezes da criança o desejo de sonhar. Todas as histórias possuem suas características na fantasia como a visão do herói que sempre se da bem no final e o castigo que ocorre com os maus. Elas mostram os impulsos reais e como é difícil aceitar a imaginação que cerca os contos e, também, destacam a realidade, como no conto de João e Maria que no início da história mostra as dificuldades dos pais deles para criá-los, fato que esta visível aos olhos da humanidade, e que muitas vezes os tornam amargurados e modificam sua personalidade.

O conto da Chapeuzinho Vermelho relataa inocência da pequena menina ao visitar a sua avó pelo bosque e o Lobo com sua personalidade frustrada e mal estruturada acaba engolindo a menina, que para alegria das crianças é retirada de sua barriga, ensinando a criança a obedecer seus pais e a serem cuidadosas não seguindo por caminhos que podem ser perigosos.

Com relação aos contos de fadas, estes passam ensinamentos de extrema importância para as criança, mostrando conflitos ocultos e também problemas relacionados aos pais como no Mito de Édipo ou Edipiano que mostra, no início a profecia de um oráculo, que o filho matará o pai e se casara com a mãe. No complexo de Édipo, causado pelos acontecimentos ao personagem, relata-se um  grave problema nas crianças, que lutam no seu desenvolvimento para se livrarem desses sentimentos e angustias.

Contudo dá para notar a importância dos contos de fadas para a demonstração dos sentimentos infantis, facilitando as criançasnencontrarem e formarem suas identidades, seu desenvolvimento ao que se refere à maturidade, suas preocupações internas, enfim, sua percepção do mundo e o crescimento da sua personalidade.

Fica aqui uma pergunta -> Quem já sonhou com o princípe ou princesa encantada?

branca-de-neve

Cuide-se!

Até a Próxima!
RLM

 

REFERÊNCIA

1. BETTELHEIM, Bruno – A Psicanálise dos Contos de Fadas. Ed Paz e Terra S/A. São Paulo. 2007. p 41-275.

2. Barbara Bittencourt – VÍDEO – https://youtu.be/OI6TgVDHlC8

Outros posts deste autor
COMO A MEDICINA DA DOENÇA FUNCIONA
Acompanhamento Psicopedagógico
Doença Psicossomática
AMARGURA
INVEJA ou CIÚMES?

2 Comentários

  • Ana Maria de Almeida França
    25 de abril de 2015 - 19:51 | Permalink

    Boa Noite Roberta! A mente humana é uma incógnita. O que me preocupa é o comportamento de certos pais, que refletem
    nos filhos seus desejos e sonhos,não realizados.Perderam no tempo a criança, que esta dentro de todo ser humano adulto.
    O retorno de tudo isso,( contos de fadas e mitos) é individual em cada criança, e vai depender da educação que recebem de seus pais( comportamental/emocional).
    Existem em cada criança as fases de crescimento. Respeitar isso, deixando a criança sonhar, e quando perguntar sobre alguma coisa, responder conforme sua idade cronológica. E quando surgirem dúvidas, buscar ajuda com um profissional capacitado.
    Beijos, gostei muito.
    Ana Maria.

    • 28 de abril de 2015 - 15:02 | Permalink

      Prezada
      Ana Maria

      Muito oportunas tuas ponderações! Realmente o papel dos pais é de sua importância, mas não há curso que capacite para tão nobre missão! No entanto, aqueles que querem, buscam caminhos que os possibilitem ser melhores!!!

      Grande Abraço
      ROBERTA

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    JCblogs Produzido por Gabriel Ferrari Mariano