Carine Corrêa

A culpa é das chuvas

As chuvas! Como podem inundar os passeios públicos e estragar os motores dos carros? Causar alagamentos e enchentes? Quanta audácia delas em ficar acumuladas nos buracos e, ainda por cima, ser o substrato para proliferação de larvinhas do Aedes. Ou então, vou lá colocar disciplina nos cachinhos do meu cabelo que insistem em ter vida própria, e lá vem ela de novo! Vem toda toda caindo do céu, gotinha por gotinha no cabelo que acabei de alisar. Poxa, gotinha… Sai pra lá! Vai ser feliz em outro cabelo, não no meu.

Pior ainda, decido construir minha casinha na área de inundação natural de um rio, e quem vem? A poderosa da chuva se achando no direito de transbordar o rio e alagar minha casa nova. Ah, por favor, né, São Pedro! Tenha dó de mim. Por que não calcula melhor o lugar onde vai precipitar? É pedir muito? Faça esse divino favor e me abençoe com a solução. Eu sei que preciso da água para sobreviver, mas no fundo no fundo, prefiria que as chuvas, o sol, os raios, a terra e o ar se comportassem conforme minha vontade. A isso eu não chamaria de controle, mas sim de alquimia. Olha só, não é um termo bonito?

Sistema Cantareira que se vire! Que faça brotar da terra a água que não cair do céu. Porque, se cair do céu, quando minhas roupas vão secar? Sem contar que esse lance de chuva acaba levando mais pra introspecção e, sabe como é, né? Ando fugindo de mim mesma.

Mas, pensando melhor, talvez eu sinta falta dela. Principalmente nos dias de sol, quando sai até fumacinha do asfalto, de tão quente que está. Ou quando os reservatórios de água estão vazios. O leitor José Roberto Sommaggio comentou nesta semana que “ninguém nota que já não existem matas ciliares em volta de rios, e a terra levada pela chuva vai direto a seus leitos, assoreando e impedindo uma vazão plena”. Parece, então, que elas não são tão culpadas assim. Pensando melhor, se eu fosse uma gotinha e estivesse caindo do céu, ficaria tão triste em não ter minha queda amortecida pela terra. Encontrar o cimento e não ser absorvida. Em vez disso, escoar bueiro afora. Me acumular com outras coleguinhas por falta de escoamento, e ainda ser apontada como um problema. É, pensando melhor mesmo, elas não são tão culpadas assim…

Outros posts deste autor
Batalha lunar
Meu espírito é selvagem
Flor&ser
Simples(mente) o presente
O feitiço do gengibre

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

JCblogs Produzido por Gabriel Ferrari Mariano