Golucci admite possível aliança PSB, PSDB e DEM

143

Antonio Archangelo

O novo presidente do PTC de Rio Claro, Alexandre Ribeiro, presidente estadual Ciro Moura e o pré-candidato Anderson Golucci (PSB)
O novo presidente do PTC de Rio Claro, Alexandre Ribeiro, presidente estadual Ciro Moura e o pré-candidato Anderson Golucci (PSB)

O pré-candidato a prefeito do Partido Socialista Brasileiro (PSB), Anderson Golucci, confirmou nessa quarta-feira (25) que existe a possibilidade de uma aliança unir PSB, PSDB e DEM numa chapa de apoio à candidatura do vereador Juninho da Padaria. Golucci admitiu à reportagem do Jornal Cidade que “existem conversas” que aproximaram a legenda com o PSDB, mas que, no momento, a sua pré-candidatura está mantida.

“Existe uma possibilidade de caminhar com PSDB ou mesmo em uma chapa com Juninho. Não existe exigência em política, existem conversa e melhores propostas. Hoje a candidatura está mantida. Se o partido decidir ou a direção regional, não será o Anderson. Não sou egocêntrico, quero que o partido possa ajudar a administrar a cidade com responsabilidade. Não tem vaidade. Existe uma proximidade ideológica”, disse o advogado ao citar a possível candidatura do democrata.

De concreto, Golucci confirmou aliança com o Partido Trabalhista Cristão (PTC), cuja presidência, por articulação sua, foi para as mãos de Alexandre Ribeiro no lugar de José Aparecido Alves Martins (Véio). A decisão foi avalizada pelo presidente estadual da sigla Ciro Moura. A confirmação, segundo ele, deve acontecer na próxima semana com oficialização junto ao Tribunal Superior Eleitoral. O ex-presidente José Aparecido confirmou a destituição. “Passaram a rasteira”, ironizou.

De acordo com Golucci, indevidamente o ex-presidente do PTC colocou no sistema uma filiação sua ao PTC, partido pelo qual saiu vice na chapa do impugnado Cláudio Di Mauro em 2012. “Vou sair pelo PSB. Na última hora, dia 29 de março, constou filiação ao PTC, partido pelo qual disputei a vice em 2012. Tive que entrar da Justiça para pedir a desconsideração desta filiação indevida para que prevalecesse a minha filiação real ao PSB de 27 de julho de 2015. O Ciro Moura, presidente estadual, e o ex-presidente local mandaram carta pedindo desculpas e se redimindo pelo equívoco”, finalizou à reportagem.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: