Fundação pode se tornar Creche ‘Ulysses Guimarães’

954

Carine Corrêa

O prefeito João Teixeira Júnior, Juninho da Padaria (DEM), anunciou nessa sexta (17) que irá transformar o prédio no NAM, onde funciona a Fundação Ulysses Guimarães, em uma creche municipal, “caso o projeto de extinção entidade, em tramitação na Câmara, seja aprovado pelos vereadores”, disse a assessoria do prefeito. O projeto deu entrada na Casa na sessão de segunda (13).

O anúncio oficial da extinção da Fundação “Ulysses Silveira Guimarães” foi feito no dia 24 de janeiro, um dia depois que o democrata desmembrou a Secretaria Municipal de Finanças e Administração em duas pastas. A justificativa foi a redução de gastos para a máquina pública.

Autoridades do município manifestaram na ocasião serem contrárias à medida anunciada. Ex-membro da presidência do Conselho da Fundação Ulysses, onde atuou sem remuneração, Lincoln Magalhães explica que a entidade poderia angariar recursos para Rio Claro: “É um artifício para que o governo municipal possa buscar recursos, sem contar que Ulysses Guimarães foi a autoridade mais importante da política moderna e deve ser considerado um privilégio que ele seja rio-clarense. Quanto à iniciativa de transformá-la em creche, é uma medida louvável, já que a figura de Ulysses é notavelmente destaque na história do país”, salientou Lincoln.

Aldo se posiciona contrário à extinção da Fundação antes do anúncio da creche: “Sou contra, pois entendo que o problema não está na existência da Fundação, mas no modelo adotado. Talvez uma alternativa fosse manter a Fundação com outro formato. Sem cargos remunerados e uma estrutura que permitisse captar recursos públicos e privados para custear diversos projetos”, frisou.

Ex-prefeito Nevoeiro Jr. também foi contrário à extinção da Fundação: “Ao final de meu último mandato, Michel Temer até então presidente da Câmara dos Deputados, e hoje presidente da República, manifestou sua absoluta disposição em alocar recursos do governo federal para projetos desta fundação”, comentou.

Ex-superintendente do Arquivo: “Penso sempre que uma instituição merece respeito. Quando se produz, a instituição ajuda a cidade. Acredito que poderia fazer mais do que fez, para isso precisaria ter outra estrutura, mais enxuta e com servidores capacitados para o trabalho. Toda instituição precisa ir se rearranjando ao longo de sua vida. Para cumprir sua missão, precisaria ser revista em sua estrutura”, disse Maria Teresa de Arruda Campos.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: