Falta de placas indicativas em vias ainda gera queixas em Rio Claro

114

Murillo Pompermayer

Prefeitura alega que um levantamento, através da Sepladema, foi realizado visando melhorias
Prefeitura alega que um levantamento, através da Sepladema, foi realizado visando melhorias

Localizar ruas e avenidas em Rio Claro, sem que haja o conhecimento prévio de quem procura, tem sido, em alguns bairros, tarefa um tanto árdua. É necessário que o cidadão tenha extrema paciência e esteja disposto a perder um tempo considerável, e muitas vezes precioso.

Caso conduza um veículo automotor, o gasto em relação ao combustível será inevitável. E se porventura contar com o auxílio das próprias pernas ou de uma bicicleta, o lado bom será uma irremediável queima de calorias. Há situações em que a localização de uma placa que venha a indicar em qual rua ou avenida se está, parece ser improvável.

O aborrecimento acomete comumente os que vêm de fora, mas aflige, sobretudo, aqueles que aqui vivem. Karla Roatt Stipanchevic, residente no Jardim São Paulo, afirma padecer por conta da escassez destas placas. “No bairro onde moro, a sinalização quanto à indicação de ruas e avenidas é praticamente inexistente. Para passarmos nosso endereço a amigos, por exemplo, precisamos usar referências de lugares próximos, e isso gera bastante confusão quando as pessoas não são de Rio Claro”, expõe.

Karla diz que a sinalização é necessária e de extrema importância para o bairro e para a cidade como um todo. Já Cleber Marchesin assegura que, em se tratando de placas alusivas à velocidade e radares, a cidade está bem servida. Com relação às que têm o desígnio de indicar ruas e avenidas, avalia como sendo “mediana”.

“Na área central e imediações, a sinalização é boa. A coisa complica na periferia, mesmo”, pondera Marchesin. Vania Cecilia Costola, por sua vez, considera a sinalização no Centro bem razoável. Contudo, afirma que o problema tem início nos bairros.

“Imagino como deva ser complicado para quem não nasceu aqui e não conhece a ‘estrutura planificada’”, opina. A fim de falar acerca desta situação, a prefeitura de Rio Claro foi procurada pela reportagem e, por intermédio de nota, garante que a Secretaria de Planejamento, Desenvolvimento e Meio Ambiente (Sepladema) realizou levantamento dos locais visando à instalação de placas de nomenclatura de ruas no município.

O Poder Executivo certifica ainda que, através da Secretaria de Obras, providenciou 4.700 placas, sendo que 1.400 já foram instaladas. “A previsão de término é para os próximos meses”, estima.

CORREIOS

Não bastasse a dificuldade quanto à carência de placas, há alguns bairros que ainda seguem sem o CEP (Código de Endereçamento Postal). É o que afirma o vereador Juninho da Padaria (DEM). Ele alega que moradores do Parque Flórida, Santa Clara I e II, Bom Retiro, e Santa Lúcia ainda sofrem.

Nesses casos, segundo a prefeitura, o morador poderá enviar solicitação via processo administrativo, no Atende Fácil, que irá encaminhar à Sepladema, que requererá a abertura. Contatada, a Assessoria de Comunicação dos Correios afiança que os bairros aludidos já contam com CEP por logradouro.

Especifica que o Parque Flórida e o Santa Lúcia, ao contrário dos demais, não possuem alguns requisitos para que possam contar com entrega nas residências. As correspondências podem ser retiradas no CDD Cidade Azul, Avenida 36, 1.124, Santana.

1 COMENTÁRIO

  1. Bem pertinente essa reportagem. Já me perdi dentro da minha própria cidade por falta das tais sinalizações. Até parece que Rio Claro é terra de ninguém.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: