Dengue: pacientes avaliam atendimento no CTH

54

Carine Corrêa

 EPIDEMIA: o município registra 5.862 casos de dengue notificados. Pacientes aguardam por consulta no CTH
EPIDEMIA: o município registra 5.862 casos de dengue notificados. Pacientes aguardam por consulta no CTH

O alto número de pessoas infectadas pela dengue no município tem aumento a procura por atendimento médico nas unidades de saúde. O Centro de Triagem e Hidratação (CTH) da dengue tem recebido uma média de 400 pessoas por dia.

A reportagem do JC esteve na Central de Triagem nessa terça-feira (24) e conversou com alguns pacientes. O munícipe Oswaldo Andreatto questiona os critérios que são definidos para o atendimento prioritário. Ele tem 75 anos e estava com alguns sintomas característicos da dengue. “Teriam que priorizar o atendimento de criança e idosos”, disse. Oswaldo contou que esperou pelo atendimento médico assim como os outros pacientes que aguardavam pela consulta. No entanto, disse estar satisfeito com o atendimento que recebeu no barracão.

Alexandra Cardozo Teixeira também passou por consulta médica no CTH. Ela relata que demorou para ser atendida, mas que o tempo de espera está associado ao grande número de pessoas que procuram pela Central de Triagem. “Quando vim na segunda-feira, percebi que algumas pessoas foram passadas na frente. Porém, visivelmente, elas estavam passando muito mal”, comentou.

Zumira Martins da Silva estava acompanhado a filha. A mulher critica a demora na implantação do CTH. “Embora todos estejam elogiando essa medida adotada pela prefeitura, acredito que ela deveria ter sido tomada antes”, observou.

Segundo a Fundação Municipal de Saúde (FMS), o atendimento no CTH da dengue ‘obedece classificação de risco com atenção maior para crianças, idosos e gestantes’. Há prioridade também aos os pacientes que chegam para a primeira consulta. A implantação do barracão, segundo a FMS, alcançou dois importantes objetivos: “desafogou as emergências e ofereceu atendimento e acompanhamento específicos para o paciente com dengue e muitas pessoas elogiaram esse trabalho”.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: