Bandidos assaltam ônibus e prejudicam passageiros

56

Da Redação

Onibus Novo
Os ônibus contêm sistema de monitoramento, mas nem as câmeras conseguem inibir os bandidos

Usuários de ônibus do transporte coletivo de alguns bairros do município reclamam da falta de segurança que atrapalha a regularidade do serviço. Segundo eles, quando acontecem assaltos nos veículos, a circulação é interrompida sem aviso prévio, deixando muitas pessoas sem transporte.

Foi o que aconteceu com Deise Correa Bueno, moradora do bairro Santa Elisa. Na semana retrasada, ela ficou no ponto esperando pelo ônibus, que não passou porque tinha sido assaltado. Segundo ela, foram três ocorrências na mesma semana. Por conta disso, ela desistiu de esperar e desde a semana passada tem ido a pé para casa após sair do trabalho. Para ela, a falta de segurança não pode penalizar os passageiros.

Esse tipo de ocorrência tem sido registrado em vários bairros. No ano passado assaltos em ônibus aconteceram nos bairros Santa Maria, Boa Vista, Jardim Novo, Jardim Mirassol, Vila Olinda, Jardim São Paulo, Jardim Nova Rio Claro, Jardim Paulista II, entre outros.

“Em certas linhas a gente têm medo de andar à noite”, disse uma usuária que não quis se identificar. A aposentada Maria José dos Santos utiliza a linha Boa Vista e já ouviu relatos de vítimas de assaltos. “As pessoas têm medo. É preciso mais segurança”, comenta.

Os ônibus contêm sistema de monitoramento, mas nem as câmeras conseguem inibir os bandidos. O gerente operacional da Rápido São Paulo, João Batista de Araújo, diz que nos últimos dias pelo menos cinco assaltos foram registrados na linha Santa Elisa. Em um deles, o motorista foi ameaçado com faca. Segundo ele, as câmeras gravaram a ação dos bandidos e os vídeos foram encaminhados à polícia.

Araújo explica que a empresa tem feito a sua parte, acionando a polícia e pedindo apoio para garantir a segurança de usuários e funcionários. Segundo ele, após as ocorrências, a empresa procura manter os ônibus funcionando, mesmo que haja atrasos.

DEIXE UMA RESPOSTA