​RC quer aperfeiçoar políticas de igualdade racial e combate às drogas IC

103

Divulgação 

Rio Claro quer ampliar e aperfeiçoar as políticas públicas voltadas à busca pela igualdade racial e no combate às drogas. Nesta semana, representantes da prefeitura e da Câmara Municipal foram recebidos em Campinas para reunião com a Coordenadoria Setorial da Promoção Racial (Cepir) e Coordenadoria de Prevenção ao Uso de Drogas, visando parcerias para aprimorar o atendimento de Rio Claro também nessa área. As duas coordenadorias são vinculadas ao departamento de Cidadania da prefeitura de Campinas.

A prefeitura de Rio Claro foi representada pela Secretaria de Cultura, por meio do diretor de Políticas Especiais, Carlos Alberto Trevisan, e da assessora de Promoção da Igualdade Racial, Joseane C. M. da Silva. O vereador Geraldo Voluntário representou o legislativo rio-clarense.

“As formas de prevenção devem ser debatidas e avaliadas permanentemente para ampliarmos os cuidados com a saúde, a inclusão e o exercício de cidadania das pessoas com problemas relacionados às drogas”, comenta Trevisan.

Para Geraldo Voluntário, as reuniões em Campinas, realizadas na quarta-feira (19) foram fundamentais para ajudar no desenvolvimento de metodologias de integração de políticas públicas entre municípios. “É preciso estimular a constituição de fóruns de gestão compartilhada, de canais de diálogo, de lugares de encontro entre profissionais de diversas áreas na busca de soluções conjuntas para questões como essas, que são globais”, comenta Voluntário.

A comitiva rio-clarense foi recebida pelo coordenador Sérgio Max Almeida Prada e pela secretária Liliane Mariz de Oliveira, ambos do Cepir, pelo presidente do Conselho de Desenvolvimento da Comunidade Negra Tagino Alves dos Santos, e pela coordenadora de Prevenção ao Uso de Drogas, Josiane Heloisa de Campos Lourenço.

O grupo de Rio Claro também visitou o Centro de Referência em Direitos Humanos na Prevenção e Combate ao Racismo e Discriminação Religiosa, onde foi recebido pela especialista em relações sociais, Elisângela Nunes de Oliveira.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: