Lucas Calore

Ele está ali há 50 anos. Conduzindo o dia a dia da comunidade, alertando para o cotidiano e coordenando o horário. O relógio da torre da Igreja Matriz de Santa Cruz, no bairro de mesmo nome, completa neste domingo (18) cinco décadas de funcionamento. Em acordo com o horário oficial de Brasília, o relógio possui um mecanismo próprio que precisa de uma mãozinha para que funcione corretamente todos os dias. Há pouco mais de 30 anos que o tapeceiro aposentado João Bortoloti Filho, de 72 anos, tem o papel fundamental de auxiliar nessa função.

“Quem começou foi meu irmão Geraldo, ele era relojoeiro, junto com o José Benedito Soares, morador do bairro. Eu acabava vindo com eles e fui aprendendo a mexer”, conta João. Uma vez por semana, ele sobe 150 degraus na torre para chegar ao relógio. O mecanismo é associado a um grande sino, que fica na última sala da torre e pesa 550 quilos. Quando o horário cheio ocorre, o sino é tocado na nota musical Sol.

Roberto junto ao senhor João, dentro da sala em que fica o relógio na torre da Igreja Matriz da Santa Cruz. Trabalho é semanal
Roberto junto ao senhor João, dentro da sala em que fica o relógio na torre da Igreja Matriz da Santa Cruz. Trabalho é semanal

Os pesos que controlam as batidas no sino descem e, se chegarem até o chão, o relógio para de funcionar. Por isso, o aposentado dá a corda na estrutura para que tudo flua corretamente. Há 10 anos o radialista Roberto Junior, de 37 anos, passou a colaborar com João. Eles se revezam mensalmente para as tarefas. “Eu sempre gostei de relógio, desde criança. Com cinco anos aprendi a ler as horas e todos os relógios que eu ganhava de presente comecei a guardar e fui fazendo coleção. Em 2007, resolvi colaborar mais com a Comunidade da Santa Cruz e me coloquei à disposição para auxiliar na manutenção do relógio. É um prazer enorme cuidar deste patrimônio da Igreja e da cidade de Rio Claro”, afirma.

Cuidados

O trabalho que prestam voluntariamente é minucioso. Eles conferem os dados oficiais do Observatório Nacional, única instituição legalmente designada a gerar, conversar e disseminar a Hora Legal Brasileira. O senhor João conta que, em 50 anos, há apenas um registro de quando o relógio parou de funcionar. “Ele quebrou uma vez, no início dos anos 2000. Ficou 15 dias parado. Aguardamos a peça chegar para fazer a manutenção”, explica.

Elogios

“É um trabalho de manutenção muito elogiado por todos da nossa comunidade. O funcionamento tem sido 100% correspondente aos nossos relógios. É um ponto de referência não só para nossa comunidade, mas para todos que passam e o observam”, diz o pároco Pe. Jacob Jovino Tomazella.

O relógio chegou a Rio Claro em 1966. Foi fabricado na capital paulista, por uma empresa de origem italiana. Sua instalação ocorreu assim que a torre ficou pronta. De duas a três vezes por ano o seu mecanismo é lavado com querosene. Há pouco tempo foi instalado um sistema de sinalização para população surda. A cada batida de hora cheia, uma luz verde pisca na torre para indicar o horário.

 

COMPARTILHAR

Deixe um comentário