Antonio Archangelo

Capítulo II – Viagem forçada

CAPÍTULO II

* * *

Viagem Forçada

– O senhor tem que sair.  Talvez ir ao Grande Oriente ou Itália. O avião está esperando…

Os federais já estavam vasculhando as gavetas, tapetes, até cheiraram o frasco vazio de vaselina. Os computadores foram apreendidos, os telefones grampeados, estavam em busca de uma planilha com os favorecidos pelo dinheiro sujo advindo de contribuições generosas das empreiteiras.

O esquema, em prol dos mais pobres, era simples. Ajudava-se a custear a máquina eleitoral e depois contabilizavam contratos, aditivos e prorrogações junto ao Poder Público, alguns indicavam nomes para o exército de comissionados à disposição da máquina. O dinheiro entrava de maneira legal e se perdia nos encanamentos digitais de remessas de dinheiro para candidatos a vereadores, prefeitos, até chegar ao ápice: deputados, senador, presidente.

Se o governo contratasse uma empresa para tapar um buraco na via pública por Rs. 2:000$000, no final dos aditivos e prorrogações o contrato já teria ultrapassado a casa dos Rs. 20:000$000.  Contos de Réis para dar e vender…

G- 1 Conto de Réis

***

Rei do Gado

Estava, então, olhando o relógio, já dentro do XLS Plus, o mesmo modelo de aeronave que tirou de cena o principal concorrente da disputa eleitoral naquele fatídico ano.

Pouco mais de 40 minutos, o avião pousou em uma esfarrapada pista dentro de uma propriedade rural no centro-oeste brasileiro, em meio ao mar branco. O cheiro de esterco e os mugidos rompiam o silêncio da desmatada paisagem pantaneira.

Mesmo com todo poder, Michael devia esclarecimento aos seus mecenas, agora companheiros de partido.  Rapidamente desceu degrau por degrau. Adentrou em um carrinho elétrico que o aguardava e seguiu até a entrada de um casarão, estilo colonial, todo revitalizado com recursos de programas federais de preservação do patrimônio histórico e cultural.

– Boa tarde nhô. Disse ao adentrar o escritório com paredes de taipa

– O Ministro, o procurador-geral e o delegado prometeram blindagem a toda prova. Estão a serviço de nosso projeto maior. Estou aqui, pois preciso garantias quanto ao financiamento da segunda parte do nosso plano de conquistar o Planalto!

– Sente-se grão-mor. Transferiremos de Cayman via Julius Baer. Com quem está a planilha?

– Está com o Coalhada, talvez na Terra e Ulysses!

Leilão de Gado em Agua Boa MT 3

***

Supremo Conselho do Grau 33

O jatinho subiu com destino a Sorocaba, mas não só.  Faziam-lhe companhia as duas últimas misses Mato Grosso. Precisava esquecer, afinal, toda pressão envolvida. Durante o voo, desta feita, outro frasco de vaselina foi consumido. As palmas envelhecidas pressionaram os vidros da aeronave, cabisbaixo foi violado, de maneira incólume.

Os risos romperam o silêncio atordoante da viagem. As luvas pastosas e o dedo ereto das meninas davam, por hora, ordem e progresso.

O trigésimo terceiro o aguardava  junto com Rudolf Elmer.

Outros posts deste autor
Polícia Federal deflagra operação Mala Direta contra fraudes nos Correios
Rio Claro deveria ter uma Fundação Municipal da Educação?
O que o deputado precisa saber sobre a PEC 241 e seus efeitos na saúde e na educação
TOP 10: Despesas por secretarias municipais
Afinal quanto deve a Prefeitura de Rio Claro?

Um comentário

  • 27 de maio de 2015 - 16:00 | Permalink

    Voces nao imaginam o quanto é gratificante viajar para um lugar que sempre sonhou. Até um adulto vira criança quando vai a Disney pela primeira vez. Nos dias de hoje Milhas Areas viraram até moeda.

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    JCblogs Produzido por Gabriel Ferrari Mariano